Projétil encontrado no corpo de uma das primas mortas em Caxias é compatível com fuzil 762, mas laudo é inconclusivo

O Globo
·1 minuto de leitura
Reprodução

RIO — A análise feita no projétil encontrado no corpo da menina Rebeca Beatriz Rodrigues dos Santos, de apenas 7 anos, morta ao lado da prima, Emilly Victoria dos Santos, de 4, em Duque de Caxias, teve resultado inconclusivo, mas excluiu a possibilidade de que ele tenha sido disparado por um fuzil calibre 556, conforme apurou o RJ2, da TV Globo.

De acordo com a reportagem, o laudo diz que o fragmento é compatível com o de um fuzil 762, mas conclui também que não é possível determinar categoricamente o calibre da munição.

Ao todo, seis fuzis foram apreendidos com policiias militares que estavam na localidade da Favela do Barro Vermelho no momento da morte das meninas: quatro fuzis de calibre 762 e dois fuzis de calibre 556 foram para análise.

Ainda de acordo com o RJ2, descobriu-se que um destes fuzis encaminhados à Polícia Civil não tinha sido usado na ação que aconteceu no dia em que Emilly e Rebeca foram baleadas. Segundo a reportagem, a PM disse que houve um erro, que foi corrigido, e que o fuzil correto teria sido encaminhado posteriormente.