Projeto de fomento ao carnaval do Rio quer premiar obras ligadas à folia de rua, como documentários e marchinhas

Luiz Ernesto Magalhães
·3 minuto de leitura
Fabiano Rocha / Agência O Globo

RIO — O prefeito Eduardo Paes e o secretário municipal de Cultura, Marcus Faustini, lançaram uma pré-proposta para consulta pública de fomento ao Carnaval Carioca. A ideia é de premiar 125 projetos relativos à folia de rua, como documentários, marchinhas de carnaval e parte estética da festa como confecção de fantasias. Ao todo serão distribuídos R$ 3.075 milhões em prêmios. Outros R$ 215 mil serão gastos na criação de uma plataforma digital para divulgar o material e nos custos para promover o projeto de fomento.

Paes explicou que o objeto é ajudar a indústria do carnaval afetada pela pandemia, já que não haverá autorizações para desfiles esse ano. Na próxima semana, a prefeitura pretende lançar pela Riotur um edital para apoiar as escolas de samba do grupo especial e dos grupos de acesso.

Além dos blocos, poderão participar outros grupos que fazem o carnaval de rua. Um exemplo são os de Bate-bola, no qual foram mapeados 494 na cidade.

A reunião no Palácio da Cidade de lançamento do projeto contou com a participação das principais ligas de carnaval de rua do Rio, que semana passada oficializaram a Paes que não vão desfilar por conta da pandemia e que pretendem apenas promover atividades virtuais esse ano.

— Nosso papel é tentar organizar essas manifestações culturais. Eles tiveram uma decisão exemplar. Agora blocos que não tiverem consciência, a prefeitura agirá de maneira muito firme para eventuais desrespeito às regras de isolamento — disse Eduardo Paes.

A prefeitura também anunciou a criação de um Conselho do Carnaval para que representantes do carnaval de rua discutam estratégias para os próximos anos. A composição será definida nos próximos dias.

A presidente da Sebastiana, Rita Fernandes, elogiou a iniciativa. E destacou a criação do Conselho do Carnaval, algo pelo qual os blocos vinham reivindicando desde 2009.

— Essa participação no planejamento do carnaval de rua é fundamental. Os blocos têm suas particularidades. O problema é que até hoje a prefeitura trata na hora de organizar a festa os megablocos da mesma maneira que os blocos menores — explicou Rita.

Rita acrescentou que os recursos da premiação vão ajudar financeiramente a indústria do carnaval já que muitos setores que ganham dinheiro com a festa não poderão trabalhar este ano. Já o secretário de Cultura disse que a ideia é promover iniciativas que retomem o incentivo à cultura no Rio e estimulem a preservação da vida em meio à pandemia.

Premiações e calendário

Ao todo, serão 50 prêmios de R$ 30 mil para documentários de cinco a dez minutos de duração sobre a história de grupos ou sobre o registro da memória dos blocos. Outros 40 prêmios de R$ 20 mil irão para composições que formarão a playlist do carnaval do Rio com temas como pandemia, vacinas, crise cultural e sua superação. Por fim, outros 35 prêmios de R$ 20 mil terão como tema a estética do Carnaval Carioca, que prevê a criação de croquis de fantasias. Os temas sugeridos são: pandemia, vacinas, a crise cultural e a sua superação na cidade.

Os editais serão lançados em março, permitindo inscrições até abril. A previsão é que os vencedores sejam conhecidos em maio com as premiações ocorrendo em junho. O lançamento da plataforma digital com os trabalhos premiados está previsto para novembro.