Projeto promove formação de mulheres com deficiência e cuidadoras

Gustavo Torniero
Ana Rita de Paula, na cadeira de rodas, é uma das principais porta-vozes da luta de pessoas com deficiência no Brasil.

Apesar de haver cerca de 25 milhões de mulheres com deficiência no Brasil, elas ainda não são devidamente ouvidas e respeitadas. Para quebrar esse ciclo de invisibilidade e dar voz ativa a essa parcela da população, surgiu o projeto Vozes Femininas , com o intuito de formar uma rede de líderes femininas com informação e capacidade de transformar o mundo a sua volta.

A formação foi idealizada por um grupo de ativistas ligados aos direitos das pessoas com deficiência no Brasil. A iniciativa foi viabilizada pelo órgão global Rehabilitation International, com apoio da BRASA, organização focada em promover os direitos humanos, especialmente de pessoas em situação de vulnerabilidade. Mães e cuidadoras de pessoas com deficiência também são convidadas a participar.

“As mulheres com deficiência têm um mundo de questões que vão desde a autoestima até a dificuldade de participar do mundo do trabalho e se formar. Infelizmente nenhum movimento de pessoas com deficiência e nem o movimento feminista dão espaço suficiente para essas questões”, relata a ativista Ana Rita de Paula, uma das idealizadoras do projeto.

De Paula é uma das precursoras na luta pelos direitos das pessoas com deficiência no País. Foi no início dos anos de 1990 que a a ativista mergulhou em questões relacionadas com o universo das mulheres com deficiência, com a publicação da tese de mestrado Corpo e Deficiência, Espaços do Desejo. Reflexões sob(re) a Perspectiva Feminina.

Segundo a especialista, o Vozes Femininas vem ao encontro de outras iniciativas de instituições internacionais. A ONU (Organização das Nações Unidas), por exemplo, busca ampliar a presença feminina no comitê de acompanhamento da convenção dos direitos das pessoas com deficiência, um dos principais documentos para a garantia de direitos dessa parcela da população em diversos países. 

O projeto, que foi lançado neste mês, consiste em oito encontros presenciais na cidade de São...

Continue a ler no HuffPost