Projetos de decoração apostam em ambientes integrados e acolhedores

Lívia Neder
·2 minuto de leitura

NITERÓI — O confinamento imposto pela pandemia trouxe um olhar mais atento para os cuidados com o lar e a decoração dos ambientes. Tendência que já vem sendo retratada nos projetos há algum tempo, os espaços integrados ganharam ares mais acolhedores nesse momento em que as pessoas passam longos períodos dentro de casa. Além da funcionalidade, a personalidade dos moradores precisa estar presente.

O designer de interiores Júlio Honaiser conta que os projetos desenvolvidos com sua sócia Bianca Sieberer, no Studio Olho, trazem em sua identidade o minimalismo com afeto. As plantas lançadas têm valorizado o deslocamento fluido entre os espaços, algo que também é uma demanda dos clientes.

—Estamos percebendo que os clientes querem o descanso do olhar, ambientes que não excitem. Querem espaços fluidos. O fluxo não pode ser muito obstruído, no estilo de casas dos anos 1990, com muita decoração e pouco espaço para andar. Hoje, as pessoas valorizam o deslocamento dentro desse espaço. Temos buscado linhas retas e simples, e o afeto vem justamente nas peças, escolhas pontuais que fazemos com o cliente a fim de levar vida para a decoração. Tentamos fugir da casa com cara de showroom. Ela tem que representar a pessoa que mora nela, e as peças de decoração contam a história da pessoa: aquisições de vida, de uma viagem, um artista que o morador admira. O afeto vem nessa curadoria — explica o designer.

Menos paredes

Um exemplo de ambiente multitarefa acolhedor criado pela dupla do Studio Olho é o quarto de uma jovem de 20 anos. Antenada com o universo das artes, ela desejava que isso estivesse refletido no projeto, mas não queria um ambiente com muita informação.

— Para isso, lançamos mão das linhas retas no recorte da marcenaria, na feitura dos gomos da cabeceira e na própria planta escolhida, que prioriza os deslocamentos, sem muitos entraves. A cartela de cor análoga priorizou os tons rosados e alaranjados. Acreditamos que é uma tendência em décor e confere uma certa harmonia relaxante — detalha Honaiser.

Entre os ambientes integrados e acolhedores do seu portfólio, a designer de interiores Selma Antunes destaca uma sala de jantar anexa com varanda. Ela avalia que agora, com a pandemia, está mais interessante integrar os espaços, tirando paredes e obtendo amplitude.

— Para tornar o ambiente mais acolhedor, os meus projetos têm uma pegada de biofilia, revestimentos em madeira e tons de madeira, iluminação mais quente e aconchegante. A tendência de integração já tem algum tempo dos Estados Unidos e veio migrando para o Brasil nos últimos anos, mas o boom é agora, com a pandemia, porque as pessoas querem aproveitar mais suas casas e seus espaços — acredita Selma.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)