Promotora diz que manifestantes pró-Bolsonaro usaram caixão para simular morte de ministro

O Ministro Alexandre de Moraes durante sessão plenária. Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF (13/12/2018)

O Ministério Público de São Paulo denunciou, ontem, dois manifestantes favoráveis ao presidente Jair Bolsonaro que participaram de um ato em frente ao prédio onde mora o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes. Segundo informações do G1, Antonio Carlos Bonzeri e Jurandir Alencar foram denunciados por difamação, injúria, perturbação do sossego e ameaça.

O protesto aconteceu no último dia 2. O grupo pedia a saída de Moraes do Supremo depois que ele decidiu impedir que o presidente nomeasse Alexandre Ramagem para a direção da Polícia Federal, alegando que a medida feria a impessoalidade do cargo do presidente, uma vez que Ramagem é amigo pessoal dos filhos do presidente.

De acordo com trechos da denúncia da promotora de Justiça Alexandra Milaré Santos, publicados pelo G1, os manifestantes permaneceram por cerca de duas horas em via pública, realizando “diversas ameaças à vítima, tais como ‘você e sua família jamais poderão sair nas ruas deste país, nem daqui a 20 anos’”.

Ainda de acordo com a promotora, os manifestantes usaram um caixão em um dos carros utilizados no protesto, “simulando a morte do ofendido”.