Promotores do 'caso Maxwell' propõem retirar acusações em troca de manter veredicto

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Ghislaine Maxwell e Jeffrey Epstein em foto sem data (AFP/Handout)
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Ghislaine Maxwell
    Ghislaine Maxwell
    Socialite
  • Robert Maxwell
    Czechoslovak-born British media proprietor and Member of Parliament (1923-1991)

Duas acusações de perjúrio contra Ghislaine Maxwell poderão ser retiradas nos Estados Unidos em troca de se manter o veredicto de culpa por tráfico sexual - ofereceram os promotores na segunda-feira (10).

A filha de 60 anos do ex-magnata da mídia britânica Robert Maxwell está presa em Nova York desde 2020 e receberá sua sentença em uma data ainda a ser definida. Ghislaine pode ser condenada a passar décadas na prisão pelo escândalo que envolveu o príncipe britânico Andrew, entre outros.

Ela foi considerada culpada em 29 de dezembro de 2021 por cinco acusações de crimes sexuais, incluindo tráfico sexual de meninas menores de idade entre 1994 e 2004 para o bilionário americano Jeffrey Epstein. Este último cometeu suicídio na prisão em agosto de 2019.

Na semana passada, seus advogados pediram um novo julgamento, alegando que um dos jurados teria influenciado os demais, ao revelar que ele próprio havia sido vítima de abuso sexual.

A defesa se baseia, em particular, em um artigo publicado no jornal Daily Mail, no qual um dos jurados confessa que, durante as deliberações para informar os demais membros do júri, suas lembranças vieram à tona.

De acordo com documentos judiciais datados de 10 de janeiro, os promotores responderam, oferecendo a retirada de duas acusações de perjúrio contra Ghislaine Maxwell em troca da manutenção da sentença por crimes sexuais.

Maxwell foi acusada de perjúrio, entre outros motivos, por uma declaração de abril de 2016, tornada pública em outubro de 2020, na qual ela negava ter ajudado o falecido financista a explorar sexualmente menores de idade. Segundo ela, sua única participação havia sido recrutar "adultos de idade adequada" para trabalhar em suas propriedades de luxo.

Cada uma dessas acusações de perjúrio implica uma pena máxima de cinco anos de prisão.

burs-oho/rbu/lch/pz/pc/zm/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos