Promotores do Gaeco pedem exoneração após governador manter atual chefe do Ministério Público no cargo

Em comunicado à classe, os 29 promotores do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) pediram exoneração do cargo. Eles alegaram que houve quebra do compromisso assumido pelo procurador-geral de Justiça, Luciano Mattos, de aceitar a indicação do nome mais votado da classe, a colega Leila Machado Costa, para substituí-lo no cargo.

Castro reconduz Luciano Mattos, segundo lugar na lista tríplice, para o cargo de procurador-geral de Justiça

Antes da decisão: Disputa acirrada pela chefia do MP do Rio tem pressão política e acusações

No comunicado, os integrantes do Gaeco alegam que, “dada a gravidade do ato praticado pelo Chefe da Instituição, seria indispensável um posicionamento expresso através de um pedido de exoneração a partir de amanhã (sábado)”. Ainda na nota, afirmam que com duas últimas operações hoje realizadas, “deixando registrado que, apesar do anseio dos membros ser o prosseguimento dos trabalhos, dada sua sensibilidade e relevância, certos princípios são intransigíveis”.

Procurada, a assessoria do MP enviou nota com o posicionamento do procurador-geral, afirmando que Mattos "lamenta profundamente a postura de alguns integrantes do Gaeco":

""O Procurador-Geral de Justiça lamenta profundamente a postura de alguns integrantes do GAECO que, de forma dissociada do interesse público que deve nortear suas ações, se utilizam dos seus cargos para fins meramente eleitorais da política interna, expondo negativamente o Ministério Público e colocando em risco a higidez dos trabalhos em andamento. Informa, ainda, que o pedido formulado e divulgado para a imprensa é nitidamente inócuo, já que todos os integrantes foram exonerados por ato publicado no DO do último dia 10, com eficácia a partir do dia 17 de janeiro".

O Gaeco foi responsável pela prisão, em setembro, pela prisão do delegado Allan Turnowski, ex-secretário de Polícia Civil, acusado de fazer parte de uma organização criminosa que oferecia proteção aos chefes da contravenção.

Mattos não foi o mais votado entre seus pares na última eleição: ficou em segundo, com 437 votos (ou 41,69%), atrás de Leila Costa, que obteve 485 votos (46,27%). Terceira colocada, Somaine Cerruti terminou com 126 votos (12,02%).

Risco ambiental: Ministério Público estadual investiga projeto que flexibiliza proteção do Rio Paraíba do Sul

Fato não ocorria há 20 anos

Nesta sexta-feira, Luciano Mattos foi reconduzido ao cargo de chefe do Ministério Público do Rio (MPRJ) pelo governador Cláudio Castro para o biênio 2023/2024, rompendo uma tradição na instituição de optar pelo mais votado, um pedido da categoria. A recondução foi publicada no Diário Oficial do Estado e terá início no dia 18. O último caso que se tem notícia de um governador ter escolhido o candidato da segunda posição foi em 2003, quando a governadora Rosinha Garotinho nomeou o procurador Antonio Vicente da Costa Júnior.

Em carta divulgada após a divulgação da recondução, Luciano Mattos lembrou que, "no dia imediato à divulgação do resultado da eleição, encaminhei carta à classe agradecendo a expressiva votação que obtive, tendo manifestado, na oportunidade, meu apoio à nomeação da candidata mais votada, reafirmando, assim, o compromisso assumido desde o lançamento de minha candidatura". Ele pondera, no entanto, que esse apoio não "constituiria óbice para eventual nomeação pelo chefe do Poder Executivo, que, como se sabe, detém a prerrogativa constitucional de escolher livremente o procurador-geral de Justiça".

Baleado em Curicica: Milícia pode estar por trás de ataque a ex-candidato a deputado que desapareceu após ser colocado em porta-malas

Leia abaixo a íntegra da nota dos promotores do Gaeco:

"Prezados colegas

Comunicamos à classe que hoje, em razão da quebra do compromisso assumido e ratificado pelo Exmo. Sr. Procurador-Geral de Justiça, 29 Promotores de Justiça membros do GAECO (os 03 integrantes da coordenação e 26 membros) pediram exoneração de seus cargos. Não se desconhece a publicação da exoneração de todos os membros integrantes da administração a contar do dia 17 de janeiro, porém os subscritores entenderam que, dada a gravidade do ato praticado pelo Chefe da Instituição, seria indispensável um posicionamento expresso através de um pedido de exoneração a partir de amanhã. Nos despedimos com duas últimas operações hoje realizadas, deixando registrado que, apesar do anseio dos membros ser o prosseguimento dos trabalhos, dada sua sensibilidade e relevância, certos princípios são intransigíveis.

Atenciosamente

Bruno Corrêa Gangoni

Roberta Dias Laplace

Fabiano G. Cossermelli Oliveira

Juliana Amorim Cavalleiro

Juliana da Gloria Pompeu Brando

Michel Queiroz Zoucas

Eduardo Fonseca Passos de Pinho

Carlos Eugênio Greco Laureano

Diogo Erthal Alves da Costa

Flavia Maria de Moura Machado

Jorge Luís Furquim W. Abdelhay

Marcos Martins Davidovich

Fabio Miguel de Oliveira

Bruno Gaspar de Oliveira

Paula de Castro Cordeiro Campanário

Rômulo Santos Silva

Antônio Carlos Fonte Pessanha

Sérgio Luís Lopes Pereira

Luís Fernando Ferreira Gomes

Leonardo Yukio D.dos Santos Kataoka

Plinio Vinicius D’Avila Araújo

Marcelo Maurício Barbosa Arsênio

Rafael Dopico da Silva

Renata Mello Chagas

Matheus Gabriel dos Reis Rezende

Mariana Segadas Acylino de Lima

Caren Saisse Villardi

Rogério Lima Sá Ferreira

Adriana Silveira Mandarino