Promotores peruanos interrogam Castillo por acusações de corrupção

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Presidente do Peru, Pedro Castillo, caminha para o escritório da Procuradoria Nacional cercado por sua segurança para prestar depoimento sobre supostos atos de corrupção
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

LIMA (Reuters) - Promotores interrogaram o presidente peruano, Pedro Castillo, por cerca de três horas nesta sexta-feira, em uma sessão a portas fechadas, em uma investigação de acusações de corrupção contra autoridades do seu governo.

O interrogatório aconteceu apesar de um pedido dos advogados de Castillo para anular a investigação, argumentando que presidentes em exercício têm imunidade legal durante seus mandatos de cinco anos, de acordo com a Constituição do país.

O caso é um raro exemplo de promotores interrogando um presidente em exercício por corrupção.

“Sou um homem honesto e sempre defenderei minha inocência e honra”, escreveu Castillo no Twitter após a sessão, sublinhando que ele não havia cometido atos de corrupção.

Promotores disseram anteriormente que optaram por investigar Castillo “pela seriedade e pelo grau” das acusações de que o seu antigo ministro dos Transportes, Juan Silva, participou de atos corruptos dos quais o presidente teria conhecimento.

Ao deixar o escritório da procuradoria, Castillo disse brevemente aos repórteres que respondeu todas as perguntas que lhe foram feitas.

(Reportagem de Marco Aquino)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos