Promotoria investiga casos de revacinação contra Covid-19 no Rio

·2 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O MPRJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) vai investigar quem tomou mais de uma vez a primeira dose da vacina contra a Covid-19 na capital fluminense. Ao menos 16 pessoas foram identificadas pela prefeitura da cidade com a prática chamada de revacinação pelas autoridades.

De acordo com o MPRJ, foram detectadas pessoas que, supostamente, tomaram um primeiro imunizante e voltaram, na repescagem, para tomar vacina de outra marca. Segundo a prefeitura, todas estão sendo investigadas, e os casos identificados serão comunicados ao Ministério Público.

Em recomendação ao município, o MPRJ solicitou à prefeitura a adoção imediata de medidas para evitar a prática. Entre elas, a verificação prévia por meio de checagem no aplicativo Conecte SUS ou no Sistema do Programa Nacional de Imunizações, se o candidato à vacinação já não possui registro com um determinado imunizante.

Outra recomendação é para que as pessoas sejam advertidas sobre e a impossibilidade de revacinação e da responsabilização criminal e cível nesta hipótese. Também foi sugerida a criação de uma campanha específica, com divulgação ampla nos meios de comunicação sobre os riscos à saúde da revacinação, além do cruzamento de doses de vacinas de laboratórios diferentes.

O MPRJ alerta que a revacinação configura fraude e dano moral coletivo. Além da preocupação sanitária, o órgão ressalta serem desconhecidos os efeitos para a saúde deste "cruzamento/sobreposição" de vacinas diferentes. Há ainda a preocupação de que essa prática comprometa o Plano Municipal de Vacinação, com pessoas já vacinadas desviando doses que deveriam ser direcionadas ao restante da população.

Nesta sexta-feira (25), o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PSD), durante o anúncio de boletim epidemiológico da cidade, criticou a prática da revacinação.

"Quero reiterar o nosso pedido, não fiquem querendo burlar o sistema e escolher vacina. Isso é criminoso, é fraude, é um desrespeito à vida. Não vamos deixar essas coisas imunes, vamos identificar os que tomaram vacina diferente fingindo que é a primeira dose. Malandragem demais atrapalha".

Procurada neste sábado (26), a Secretaria Municipal de Saúde informou apenas que "foram identificadas algumas pessoas que tomaram a D1 duplicada, por questões de preferência de fabricante - prática não recomendada pela SMS". Uma investigação será aberta para apurar os casos. Mais detalhes serão informados oportunamente", completa a pasta.

Os dados do governo do estado do Rio mostram que a capital atingiu a marca de 363.968 casos de Covid-19, com 28.337 óbitos neste sábado (26).

A partir de segunda (28) começam a ser vacinadas no município do Rio as lactantes de qualquer idade. As que estão amamentando, porém, precisam apresentar uma indicação dos profissionais de saúde que realizam o acompanhamento do bebê.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos