Promotoria investiga socialite ligada a pelo menos 44 casos de coronavírus no Uruguai

SYLVIA COLOMBO

BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - Até esta quinta-feira (19), o Uruguai contabiliza ao menos 55 casos confirmados de coronavírus, uma cifra considerada alta para o tamanho da população do país, de cerca de 3,5 milhões de pessoas.

A vizinha Argentina, com mais de 43 milhões de habitantes, por exemplo, tem 97 casos. A explicação para grande parte do número uruguaio chega a ser tragicômica.

A decoradora Carmela Hontou, 57, que ficou doente durante duas passagens pela Europa nos primeiros meses deste ano, foi a um casamento com 500 convidados no mesmo dia em que retornou ao país.

Hontou teve febre alta e inflamação na garganta quando foi a Milão e Madri no fim de janeiro.

Nesta primeira viagem, um médico da companhia de seguros que a examinou na Espanha receitou antibióticos e recomendou que, ao chegar ao Uruguai, fizesse exames. "Ele me deu antibióticos para tomar por 14 dias, mas eu tomei menos, porque me sentia bem", disse ela. Exames, Hontou não fez.

No final de fevereiro, viajou a trabalho outra vez às duas cidades. Ao chegar a Madri, sentiu-se mal. Procurou conhecidos em Milão, que recomendaram não viajar à cidade, muito afetada pelo coronavírus.

Permaneceu então alguns dias na capital espanhola, onde voltou a ter febre. No dia 7 de março, retornou ao Uruguai. Como não havia o registro de nenhum caso de Covid-19 no país quando aterrissou, ainda não havia protocolo em vigor no aeroporto de Carrasco.

Hontou foi para casa e, mesmo apresentando sintomas de que poderia estar infectada, compareceu a um casamento da alta sociedade uruguaia, no bairro nobre de Carrasco.

De acordo com o jornal uruguaio El Observador, fontes do Ministério de Saúde Pública afirmam que, dos 55 casos confirmados no país, 44 foram contaminados a partir da cerimônia. Desse número, nem todos compareceram à festa, mas foram infectados a partir do "vetor Carmela".

Em entrevista ao site Infobae, a decoradora disse que não considerou a possibilidade de não ir ao evento, uma vez que o noivo é "como um filho" para ela.

Depois da festa, Hontou voltou a passar mal, foi a um hospital e recebeu o diagnóstico de coronavírus. Um escândalo, então, tomou conta de seu círculo de amigos e das redes sociais.

Muitos publicaram comentários públicos criticando a empresária. Em grupos de WhatsApp, convidados a condenaram por ter ido ao evento. "Ela não sabe o que está acontecendo no mundo?", "vive em um túper [um Tupperware]?" e "ela poderia ter contaminado um povoado inteiro" eram algumas das mensagens.

Também ao site Infobae, Hontou se defendeu. "A repercussão foi muito feia. As pessoas pensam que fui a um casamento só para propagar um vírus, tratam-me como uma terrorista, e não foi assim."

Com o diagnóstico, Hontou se transformou num dos primeiros casos, se não o primeiro, do novo coronavírus no Uruguai. Na sequência, outros 20 convidados da festa receberam a notícia de que estavam contaminados.

A partir do caso, o governo passou a adotar o protocolo de enviar para quarentena quem chega dos países mais afetados, como Espanha, Itália, Coreia do Sul e China, mesmo que não apresente sintomas.

A história não parou aí. Liberada do hospital para cumprir quarentena em casa, Hontou foi denunciada por vizinhos e pelo porteiro do prédio, segundo os quais a decoradora continuava a receber visitas de amigos e parentes. Entre os visitantes, seus dois filhos.

Assim, o promotor Alejandro Machado passou a investigar a conduta da empresária e prepara uma acusação formal na Justiça de dano e violação às regras de vigilância sanitária. Machado também emitiu ordem para que os filhos de Hontou sejam investigados.

Um dos filhos da empresária já recebeu o diagnóstico de covid-19 e não estaria fazendo o isolamento obrigatório. A lei uruguaia determina, em seu Código Penal, que atentar contra a segurança sanitária do país é passível de uma pena de 2 a 24 meses de prisão.

As autoridades sanitárias estão, ainda, convocando todos os presentes à festa de casamento na qual Hontou esteve para que realizem exames para determinar se foram infectados.

O vice-ministro de Saúde Pública, José Luis Satdjian, confirmou que, dos 50 casos no país, 20 estão relacionados ao episódio da festa. Ele usou o episódio como exemplo de responsabilidade coletiva que toda a população deveria assumir.

Depois dos primeiros quatro casos, identificados na última sexta-feira (13), incluindo o de Hontou, o número de infectados subiu para oito no domingo (15) e está em 50 nesta quinta-feira (19).

O governo do recém-empossado Luis Lacalle Pou ordenou o fechamento de shoppings e lojas, exceto as que vendem alimentos e medicamentos. O presidente ainda suspendeu o funcionamento de parques e locais públicos de diversão.

Hontou respondeu às críticas por meio das redes sociais. Em posts no Instagram, disse que decidiu ir à festa porque "não estava mal e não tinha nenhum sintoma".

A empresária afirma ainda que, ao retornar ao Uruguai, perguntou no aeroporto se havia alguma medida a quem chegasse da Europa, e a resposta foi negativa.