Promotoria de Manhattan diz que vai buscar liberdade de 2 condenados por assassinato de Malcolm X

·1 min de leitura
Martin Luther King Jr. e Malcolm X em local não identificado

Por Kanishka Singh

(Reuters) - A procuradoria do distrito de Manhattan informou nesta quarta-feira que trabalhará para libertar dois homens condenados por matar o ativista negro e defensor dos direitos civis Malcolm X em 1965, o que representará um reconhecimento oficial de erros cometidos no caso.

Malcolm X ganhou destaque como porta-voz nacional da Nação do Islã, um grupo muçulmano afro-americano que defendia o separatismo negro. Ele passou mais de uma década com o grupo antes de se desiludir, rompendo publicamente com o movimento em 1964 e moderando algumas de suas opiniões anteriores sobre separação racial.

Ele foi morto a tiros no Audubon Ballroom de Nova York enquanto se preparava para fazer um discurso. Três membros da Nação do Islã foram condenados pelo ataque.

A ação da promotoria distrital foi relatada pela primeira vez pelo New York Times e confirmada à Reuters por um porta-voz do gabinete da promotoria de Manhattan nesta quarta-feira.

Em uma entrevista ao Times, o promotor distrital de Manhattan Cyrus Vance Jr. se desculpou em nome da polícia, que disse ter falhado com as famílias dos dois homens, Muhammad Aziz e Khalil Islam.

"Isso aponta para a verdade de que as forças de segurança ao longo da história muitas vezes falharam em cumprir suas responsabilidades", disse Vance. "Esses homens não receberam a justiça que mereciam."

Uma investigação de quase dois anos conduzida conjuntamente pelo promotor de Manhattan e advogados dos dois homens descobriu que promotores e agências de segurança negligenciaram evidências importantes que, se tivessem sido consideradas, provavelmente teriam levado à absolvição da dupla, de acordo com o Times.

(Reportagem de Kanishka Singh em Bengaluru)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos