Pronunciamento de Jair Bolsonaro ainda gera protestos em São Paulo

·1 minuto de leitura
Brazil's President Jair Bolsonaro speaks to journalists about the new coronavirus at Planalto presidential palace in Brasilia, Brazil, Friday, March 27, 2020. Even as coronavirus cases mount in Latin America’s largest nation, Bolsonaro is calling the pandemic a momentary, minor problem and saying strong measures to contain it are unnecessary. (AP Photo/Andre Borges)
Jair Bolsonaro gera protestos em São Paulo. Foto: Associated Press

Os protestos e “panelaços” contra Jair Bolsonaro ainda são evento enquanto o presidente faz pronunciamentos com atualizações sobre a pandemia do novo coronavírus. O discurso desta quarta-feira (08), não foi diferente.

Este foi o quinto pronunciamento sobre o coronavírus realizado em um período de menos de um mês. No primeiro pronunciamento sobre o tema, realizado no dia 6 de março, Bolsonaro afirmou que não havia motivo para "pânico" e que o momento era de união.

Leia também

Contudo, no último pronunciamento, a resposta da população foi um pouco mais extrema: ps protestos e panelaços contaram até mesmo com alto-falantes e muito heavy-metal, que na composição contava com os gritos de “Fora Bolsonaro” Veja abaixo:

Sobre o vírus, Bolsonaro apostou no médico Roberto Kalil Filho, que segundo o presidente irá ministrar a hidroxicloroquina como “decisão histórica” contra a pandemia.

Bolsonaro citou o caso do diretor-geral do Centro de Cardiologia do Hospital Sírio-Libanês, que revelou ter usado a hidroxicloroquina em seu tratamento e depois ministrou para outros casos. Kalil Filho apresentou estado grave da doença, mas se recuperou e espera voltar a trabalhar já na próxima segunda. O presidente também pediu que os ministros estejam mais sintonizados com ele.