Proposta de Eduardo Bolsonaro para Educação vira piada na web

Os internautas apontaram falhas na lógica do deputado (Foto: AP Photo/Eraldo Peres, File)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Deputado usou argumento curioso para defender que meninos e meninas não se misturem

  • Internautas imediatamente questionaram a lógica do filho do presidente

Na noite de quarta-feira (11), o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL/SP) postou uma série de tweets defendendo a separação por gênero nas escolas brasileiras. No entanto, ele usou um raciocínio ambíguo nas publicações – o que os internautas imediatamente viram como uma oportunidade para piadas e memes.

O filho do presidente da República citou o livro Feminismo: Perversão e Subversão, da deputada estadual Ana Carolina Campagnolo (PSL-SC), para argumentar que a convivência de meninos e meninas nas escolas é uma pauta feminista. A autora do livro é uma das maiores defensoras do Escola Sem Partido, e em outubro recomendou que estudantes denunciassem professores contrários ao governo Bolsonaro.

Leia também

Eduardo Bolsonaro disse que “as feministas” defendem a convivência de gêneros nas escolas “mesmo havendo bons argumentos pedagógicos e empíricos atuais recomendando o contrário”.

O deputado federal usou dois exemplos para comprovar a sua tese de que as escolas em que meninos e meninas não se misturam têm melhor desempenho: o fato de 90% das 25 melhores escolas inglesas serem “single-sex” e o desempenho do Colégio São Bento, que só aceita garotos e há sete anos ficou em 4º lugar no ENEM.

Os usuários da rede social foram rápidos em apontar falhas no raciocínio de Eduardo Bolsonaro. Um deles acusou o parlamentar de confundir correlação e causalidade, ou seja, criar uma relação de causa e consequência entre dois fatos que apenas coexistem – nesse caso, o desempenho das escolas e a política em relação à convivência de gêneros diferentes.

Muitos notaram que, se o 4º colocado no ENEM é uma escola “single-sex”, os três primeiros lugares foram ocupados por escolas com meninos e meninas:

As piadas foram muitas: