Prosseguem os protestos contra e a favor do governo no Sudão

Presidente Omar al-Bashir

Partidários do presidente sudanês Omar al-Bashir se reuniram nesta quarta-feira em Cartum para apoiar o regime depois de várias semanas de violentos protestos contra o governo.

A oposição igualmente sairá às ruas para se manifestar.

Centenas de policiais e soldados foram mobilizados em torno do Green Yard, um lugar da cidade onde costumam se concentrar os partidários de Bashir.

Desde dezembro os manifestantes tomaram as ruas depois da decisão do governo de triplicar o preço do pão.

Pelo menos 816 manifestantes foram presos no país desde o início dos protestos desencadeados em 19 de dezembro e que se transformou em manifestações em massa contra o governo, segundo o ministério do Interior.

Pelo menos 19 pessoas, incluindo dois membros das forças de segurança, foram mortas desde o início dos protestos.

A Anistia Internacional relata a morte de 37 manifestantes e a ONU pediu uma investigação independente.

O ministro do Interior também informou sobre a realização de 381 protestos no total desde 19 de dezembro.

Os protestos estavam concentrados em torno do preço do pão, que passou de meados de dezembro de uma libra sudanesa (um centavo de euro) para três, quando o Sudão vive uma recessão econômica que piora as condições de vida da população.

Em 2018, o país experimentou crescentes dificuldades econômicas com uma inflação de quase 70% e uma queda na libra sudanesa frente ao dólar americano.