Protesto da oposição na Venezuela contra Assembleia Constituinte tem confrontos e violência

Por Andrew Cawthorne e Alexandra Ulmer
Manifestantes e polícia entram em confronto em Caracas 3/5/2017 REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

Por Andrew Cawthorne e Alexandra Ulmer

CARACAS (Reuters) - Apoiadores da oposição da Venezuela ocuparam a principal via pública de Caracas nesta quarta-feira para protestar depois que o presidente de esquerda Nicolás Maduro convocou uma assembleia extraordinária, o que veem como uma manobra para evitar eleições livres e permanecer no poder.

Jovens que comandavam o protesto atearam fogo e lançaram pedras contra as forças de segurança, que dispararam gás lacrimogêneo para interromper a mais recente manifestação contra Maduro.

Milhares de partidários da oposição se reuniram pacificamente por várias horas antes de serem bloqueados, provocando confrontos entre jovens mascarados e tropas da Guarda Nacional.

Pelo menos 33 pessoas morreram e centenas foram feridas e detidas desde que os distúrbios anti-Maduro começaram, no início de abril.

Capitalizando um mês de manifestações amplas e contínuas, líderes opositores prometeram mais ações nas ruas desde o anúncio de Maduro, feito na segunda-feira, de que estava criando uma Assembleia Constituinte com poderes para reescrever a constituição.

O governo diz que a violência relacionada aos protestos e a indisposição da oposição para conversar deixou Maduro sem opção além de reformular o aparato governamental do país.

"Com esta Assembleia Constituinte, a situação fica pior do que nunca", disse Miren Bilbao, de 66 anos, no meio da rodovia Francisco Fajardo com um grupo de amigos e parentes.

"É uma ferramenta para evitar eleições livres. Estamos protestando há 18 anos, mas esta é nossa cartada final. É tudo ou nada."

Milhares percorreram a rodovia, que atravessa o principal vale de Caracas. Mulheres vestidas de branco acenavam com bandeiras venezuelanas e dezenas de jovens mascarados se reuniram na dianteira da marcha.  

A oposição quer adiantar a eleição presidencial de 2018 em meio a uma crise econômica devastadora, e diz que o pronunciamento de Maduro é um estratagema cínico para levar os cidadãos a pensarem que ele fez concessões, quando na verdade tenta manipular o sistema para evitar eleições que o Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) provavelmente perderia.

A medida do presidente foi condenada pelos Estados Unidos e por alguns países latino-americanos, inclusive o Brasil, que a classificou como um "golpe".

Durante um encontro com autoridades eleitorais nesta quarta-feira, Maduro disse que a votação que irá compor a nova assembleia acontecerá nas próximas semanas. Ele já disse que 500 de seus membros serão eleitos por grupos sociais, incluindo trabalhadores, indígenas e agricultores, e também nos municípios.

"O novo processo constituinte começando hoje irá consolidar a República e trazer à nação a paz que ela merece", disse Maduro.

(Reportagem adicional de Andreina Aponte, Corina Pons, Brian Ellsworth, Deisy Buitrago e Eyanir Chinea em Caracas, Patricia Zengerle em Washington)