Protesto em SP decreta: “Bolsonaro cai. Amazônia fica”

Protesto reuniu milhares de pessoas em São Paulo. Foto: Giorgia Cavicchioli/Yahoo

Por volta das 18h desta sexta-feira (23) já era possível ouvir vozes de milhares de pessoas ecoando gritos a favor da Amazônia no vão livre do Masp (Museu de Arte de São Paulo), na avenida Paulista. “Fora Bolsonaro, fora Salles”, “Queima o Bolsonaro” e alguns xingamentos voltados ao presidente eram ouvidos o tempo todo. Porém, um grito unia todos os presentes: “Bolsonaro cai. Amazônia fica”.

Era possível ver uma São Paulo que antes era polarizada entre esquerda e direita, mas que agora parecia se unir em prol de algo muito maior do que ideologias políticas. Há tempos não víamos tantas pessoas diferentes em um mesmo protesto. Idosos, crianças, famílias com bebês, cachorros, jovens, ativistas… para onde se olhava, era possível ver que o grupo era totalmente heterogêneo.

Crianças com bichinhos de pelúcia e cartazes pediam pela preservação da Amazônia. Foto: Giorgia Cavicchioli/Yahoo

Esse foi um dos fatores que saltou aos olhos do ativista vegano Yoichi Takase, 44 anos. De acordo com o manifestante, as queimadas que estão acontecendo na Amazônia durante essa semana vão prejudicar todos os brasileiros. “As pessoas têm que acordar e isso independe de direita e esquerda. Não tem mais essa polarização. Existiu, ainda existe. Mas essa é uma necessidade. O bicho vai pegar pra todo mundo”, afirmou à reportagem.

Leia também

As amigas Julia Cintra e Carolina Gomes, ambas de 17 anos e estudantes, pensam que não dá mais para esperar para começar a agir. “A Amazônia é um patrimônio do mundo. Sobrou muito pouca coisa por conta do desmatamento e da agropecuária”, afirmou Julia. “É importante preservar o que sobrou. Nunca vamos conseguir recuperar o que foi. Mas dá pra tentar acabar com isso o mais rápido possível”, continuou Carolina.

Essa angústia por rápidos resultados era visível até para a saída do ato do vão livre do Masp para a via da avenida. Por volta das 18h30 já era possível ouvir pessoas pedindo para que a manifestação saísse em passeata. Alguns decidiram sair antes por conta própria e caminharam em pequenos grupos em direção à rua da Consolação. Os menos ansiosos continuaram a esperar e a gritar.

Bolsonaro foi alvo de protesto. Foto: Giorgia Cavicchioli/Yahoo

Durante essa espera para a saída da passeata, um jovem que passava de bicicleta pela região foi detido pela GCM (Guarda Civil Metropolitana). De acordo com testemunhas, ele passou pelo local onde as viaturas estavam paradas e criticou o governo em voz alta. Em seguida, um dos guardas teria puxado ele pelo casaco e dito que ele estava detido.

Outras pessoas afirmaram que o cabelo rastafari do jovem teria esbarrado no rosto de um dos guardas enquanto ele passava pelo local, o que o agente teria interpretado como uma provocação. Quando o jovem já estava algemado e dentro da viatura, a reportagem perguntou aos guardas qual era a acusação. Nenhum deles soube responder.

O jovem, no entanto, fez questão de responder dizendo que ele não tinha feito nada. Chorando, ele foi levado para o 78 DP (Distrito Policial) e liberado por volta das 21h30. Ele irá responder por desacato.

Pouco tempo depois da detenção do jovem, a manifestação saiu em caminhada sentido Consolação. Por volta das 19h30, os manifestantes seguiram pela rua Augusta. Com seus cartazes, faixas e bandeiras, o pedido era um só: para que nossos recursos naturais fossem preservados e que o presidente e o ministro do Meio Ambiente deixassem seus cargos.

Durante o percurso, o ato pegou alguns motoristas de surpresa, o que gerou a indignação de alguns deles. Um deles chegou a mostrar um envelope de exames para um dos manifestantes, dizendo que precisava passar. Sem sucesso. Precisou esperar que o ato passasse. Outros motoristas buzinaram em sinal de revolta e pressa. Porém, foi preciso que eles investissem na paciência.

Então, a chuva chegou. Fina e delicada, quase como lágrimas caídas do céu, ela molhou a todos. Os motoristas, que estavam protegidos em seus carros, não sentiram, mas ela era gelada e chegou a incomodar alguns manifestantes, que se protegeram com cachecóis e casacos. Mesmo assim, ninguém saiu das ruas.

O ato seguiu até a alameda Tietê e acabou por volta das 21h em frente ao Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). Por meio de um jogral, os manifestantes alertaram para os problemas ambientais causados pelas queimadas e afirmaram que outro protesto irá acontecer no dia 5 de setembro.

Manifestante colocou fogo em mapa em frente ao Ibama. Foto: Giorgia Cavicchioli/Yahoo