Protesto na Nova Zelândia contra restrições

·1 min de leitura
Milhares de pessoas protestaram contra as restrições vinculadas à pandemia em Wellington (AFP/Neil SANDS)

Milhares de manifestantes protestaram nesta terça-feira (8) diante do Parlamento da Nova Zelândia contra as restrições impostas pela pandemia de covid-19.

Quase 3.000 pessoas, a maioria sem máscara, participaram no protesto no centro da capital.

Entre os participantes, alguns exibiam bandeiras da campanha eleitoral de 2020 do ex-presidente americano Donald Trump e outros de pessoas afetadas pelos confinamentos ou de professores que podem perder o emprego caso não tomem a vacina.

O protesto também teve algumas frases contra a primeira-ministra Jacinda Ardern e contra as supostas mentiras da imprensa a respeito da pandemia.

A primeira-ministra Ardern afirmou que o protesto não era representativo da sociedade neozelandesa que, segundo ela, apoia em sua maioria a estratégia estrita do governo contra o vírus.

O país adotou confinamentos rígidos e fechamentos de fronteiras e registrou apenas 31 mortes por covid-19 entre cinco milhões de habitantes.

Ardern prometeu flexibilizar as restrições quando o país atingir a marca de 90% da população completamente vacinada, mas apenas para as pessoas imunizadas. Atualmente, 90% dos neozelandeses tomaram a primeira dose.

ns/arb/qan/dbh/mas/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos