Protestos ambientalistas fecham vias de Londres pelo sexto dia seguido

1 / 2
Ambientalista de vermelho em meio aos policiais em protesto na Waterloo Brige em Londres em 20 de abril de 2019

O movimento Extinction Rebellion protagonizou, neste sábado, em Londres, seu sexto dia seguido de bloqueios em vias para pedir a declaração de um "estado de emergência ecológica" - apesar de terem sido registradas mais de 700 prisões desde segunda-feira.

A rede de militantes, nascida no Reino Unido, fechou a circulação na Waterloo Bridge, no coração da capital britânica, com um protesto pacífico, com os manifestantes sentados no chão da ponte.

Outros três locais de grande circulação (Parliament Square, Oxford Circus e Marble Arch) também foram bloqueados "pela presença de manifestantes", indicou a autoridade dos transportes de Londres (TfL).

Em mensagem publicada no Twitter, o Extinction Rebellion acusou diretamente a primeira-ministra, Theresa May (conservadora): "Sabemos que você não faz o suficiente [pelo clima]. Você sabe que não faz o suficiente. Falemos, então".

O movimento ainda organizou várias atividades lúdicas nos locais ocupados, como ioga, massagens, discursos os shows, neste fim de semana de Páscoa.

As ações do Extinction Rebellion geraram "715 prisões" desde o começo da semana, além da abertura de processos contra 28 pessoas, informou à AFP a polícia de Londres.

O número de prisões cria "um problema logístico [...] em termos de celas" e desvia os agentes de suas outras missões, afirmou a polícia metropolitana (MET) em um comunicado.

A Scotland Yard tambem destacou um fato "incomum": "a vontade dos participantes de serem presos e sua falta de resistência às prisões", o que demonstraria o modus operandi do movimento, que defende a desobediência civil não violenta.