Protestos contra reforma Judicial em Israel

Dezenas de milhares de israelitas reuniram-se sábado à noite, em Telavive, para protestar contra o novo governo. O executivo do Primeiro-ministro Benjamin Netanyahu pretende reformar o sistema Judicial, defendendo que devido a um desequilíbrio os juízes têm demasiado poder.

Netanyahu promete prosseguir, mesmo com oposição. Os seus opositores consideram que as intenções do governo podem pôr em perigo os fundamentos democráticos do país e prometem continuar a lutar.

"Esta é uma manifestação a favor do país. Pessoas que amam o país vieram aqui defender a sua Democracia, defender os seus tribunais, defender a ideia de coexistência e de bem comum (...) de acordo com os valores da Declaração da Independência. Não desistiremos até ganharmos".

O chefe do executivo está a ser julgado por corrupção e a oposição teme que as mudanças possam ajudar Netanyahu a escapar à condenação ou fazer desaparecer, por completo, o caso dos tribunais.

Governo israelita sob pressão

A pressão sobre o governo aumentou depois do Procurador-geral ter pedido a Netanyahu para demitir um aliado chave do executivo considerado, pelo Supremo Tribunal, não qualificado para cargos governamentais devido a uma condenação por delitos fiscais.

Também na semana passada, e na anterior, dezenas de milhares de pessoas tinham saído às ruas contra o executivo mais à direita da história de Israel. Uma coligação ultranacionalista e ultra-ortodoxa.