Protestos na Bolívia causam filas quilométricas de caminhões; empresários pedem ordem

Fila de caminhões em rodovia bloqueada em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia

PAILÓN, Bolívia (Reuters) - Dezenas de caminhões de transporte pesado ficaram parados nas estradas da região boliviana de Santa Cruz nesta terça-feira em mais um dia de protestos contra a prisão do governador local, em meio a pedidos de ordem de grupos empresariais da próspera região agrícola.

O departamento, que faz fronteira com Brasil e Paraguai, há seis dias, registra manifestações que levaram a confrontos com a polícia após a prisão do governador Luis Camacho, acusado de ser o responsável pela deposição do ex-presidente Evo Morales em 2019.

A capital regional está cercada pelo fechamento das estradas que a conectam ao resto do país e ao exterior, segundo testemunhas da Reuters. Bloqueios com pneus, galhos e pedras deixaram filas intermináveis de veículos de carga em diversas estradas da vasta planície tropical.

"A população está revoltada com a prisão de um governador de direita e quer sua liberdade, mas estamos pagando e sofrendo com essa situação", disse Luiz Hebert Godoy, caminhoneiro brasileiro.

Num vídeo divulgado à imprensa, os dirigentes das maiores associações empresariais de Santa Cruz pediram às autoridades nacionais que cumpram o Estado de Direito e tratem a região "com respeito", mas também apelaram aos manifestantes para que encerrem os bloqueios nas estradas.

"Estamos unidos... para exigir que todos os poderes do Estado, sejam os poderes Executivo, Legislativo, Judiciário e Eleitoral, cumpram rigorosamente a lei, que seja garantida uma ordem social pacífica", disse o presidente da Federação de Empresários Privados de Santa Cruz, Jean Pierre Antelo.

Os protestos pela detenção de Camacho, confinado em um presídio da cidade serrana de El Alto --para onde foi transferido após ser preso na quarta-feira--, têm como pano de fundo o desejo histórico de autonomia de Santa Cruz em relação ao governo nacional, com sede no oeste de La Peace.

(Reportagem de Agustín Marcarián, em Pailón, e Daniel Ramos e Mónica Machicao, em La Paz)