Protestos na Colômbia adiam Santa Fe x River Plate; Fluminense é ameaçado por organizada do Junior

O Globo
·2 minuto de leitura

A partida entre Santa Fe x River Plate, válida pela 3ª rodada da Libertadores, será adiada por conta dos protestos populares devido à reforma tributária na Colômbia, crava a TV argentina 'Tyc Sports'. Há relatos de violência em várias cidades do país, entre elas a de Armênia, que alegou não ter policiamento suficiente para receber a partida. Isso pode afetar também o confronto entre Junior Barranquilla x Fluminense, marcado para a próxima quinta-feira.

O ministro colombiano da Fazenda, Alberto Carrasquilla, renunciou na segunda-feira (3), após apresentar um projeto frustrado de reforma tributária que provocou seis dias de protestos em massa. Confrontos dos manifestantes com a polícia deixaram 19 mortos e mais de 800 feridos.

O presidente propôs a elaboração de um novo projeto que descarta os principais pontos de discórdia: o aumento dos impostos sobre serviços e mercadorias e a ampliação da base de contribuintes com imposto de renda.

Ao menos 19 manifestantes morreram nos protestos desde a semana passada, segundo balanço da Defensoria do Povo. O ministério da Defesa contabilizou 846 feridos entre civis e policiais. Algumas ONGs acusam a polícia de atirar contra a população.

O governo ordenou o envio de militares para as cidades onde houve mais violência. Em seis dias de protestos, a polícia prendeu 431 pessoas.

Fluminense é ameaçado

Diante dos protestos civis que ocorrem em Barranquilla, na Colômbia, uma das torcidas organizadas do Junior de Barranquilla exigiu que a Conmebol suspendesse a da partida desta quinta-feira, contra o Fluminense, pela terceira rodada da fase de grupo da Libertadores.

Em uma declaração postada no Instagram, a torcida Frente Rojiblanco Sur 1998 afirma que, caso o jogo não seja adiado, eles “serão obrigados a não permitir a entrada dos ônibus dos jogadores no estádio” e acrescentam que “antes do futebol, existe a luta social do país”.

Civis têm protestado contra o governo colombiano, que promove uma reforma tributária no país. Até então, ao longo dos cinco dias de manifestações, 19 vítimas já morreram e mais de 800 pessoas se feriram.