Protestos se intensificam no Irã e número de mortos sobe

Protesto em Teerã

DUBAI (Reuters) - Autoridades iranianas disseram nesta quarta-feira que três pessoas, incluindo um membro das forças de segurança, foram mortas durante a agitação que varreu o país, com protestos entrando pelo quinto dia devido à morte de uma mulher sob custódia policial.

Grupos de direitos humanos relataram que pelo menos mais uma pessoa foi morta na terça-feira, o que elevaria o número de mortos para pelo menos sete.

A morte na semana passada de Mahsa Amini, de 22 anos, que foi presa pela polícia moral em Teerã por "trajes inadequados", desencadeou uma raiva latente por questões como liberdades na República Islâmica e uma economia sofrendo com as sanções.

Depois de começar no sábado no funeral de Amini na província do Curdistão do Irã, os protestos tomaram conta de grande parte do país, provocando confrontos enquanto as forças de segurança tentavam suprimi-los.

O líder supremo aiatolá Ali Khamenei não mencionou os protestos - alguns dos piores distúrbios do Irã desde os confrontos de rua no ano passado por falta de água - durante um discurso na quarta-feira comemorando a guerra Irã-Iraque de 1980-88.