Protestos na Venezuela deixam pelo menos 19 feridos

Caracas, 6 abr (EFE).- Pelo menos 19 pessoas ficaram feridas nesta quinta-feira, após os protestos contra o governo que se tornaram violentos em Caracas, capital da Venezuela, segundo informações do prefeito do município de Chacao, Ramón Muchacho.

"Até o momento atendemos 19 pessoas. Todos estão fora de perigo, felizmente", disse Muchacho, em um vídeo divulgado em suas redes sociais.

De acordo com o prefeito, 11 pessoas sofreram traumatismos múltiplos, quatro foram atingidos por balas de chumbo, outras três por asfixia e uma jovem com queimaduras de segundo e terceiro grau.

Em um relatório anterior, o prefeito tinha apontado que alguns manifestantes sofreram "fraturas" e tiveram alta, mas sem dar maiores informações.

Além destes lesionados, dois fotógrafos da Agência Efe ficaram feridos pelas forças de segurança enquanto realizavam cobertura dos protestos na cidade de Caracas.

O fotojornalista Manaure Quintero, colaborador da Efe na Venezuela, foi atingido por balas de borrachas, disparadas diretamente contra ele por um membro da Polícia Nacional Bolivariana (PNB).

Além disso, o fotógrafo da Efe em Caracas, o colombo-venezuelano Miguel Gutiérrez, ficou ferido por um funcionário da Guarda Nacional Bolivariana que disparou uma bomba de gás lacrimogêneo diretamente contra ele enquanto fotografava um manifestante.

Quintero e Gutiérrez não precisaram ser hospitalizados, apesar das lesões.

O prefeito Ramón Muchacho disse que seu município atravessou durante as manifestações "uma situação difícil", por conta dos "confrontos entre manifestantes e policiais". EFE