Protocolo de volta às aulas na rede municipal deve ser apresentado ainda este mês, diz secretário

·3 minuto de leitura
Foto: Brenno Carvalho / Agência O Globo / 23-09-2020

Após anúncio nesta quarta-feira sobre a volta às aulas na rede municipal de ensino do Rio, a prefeitura ainda tenta definir como se dará esse retorno. O secretário municipal de Educação, Renan Ferreirinha, ainda estuda junto aos especialistas do Comitê Especial de Enfrentamento da Covid-19 da prefeitura um protocolo para que seja possível retomar as aulas presenciais em continuidade com o ensino virtual. A expectativa é de que o plano seja apresentado ainda neste mês, segundo disse o secretário em entrevista ao "Bom Dia Rio", da TV Globo, na manhã desta quinta-feira.

A previsão é de retorno das aulas — virtuais ou presenciais — no dia 8 de fevereiro. O calendário escolar então se estenderá até 17 de dezembro. O ano letivo de 2021 da Educação Infantil e do Ensino Fundamental terá 202 dias, dois a mais que o mínimo necessário. A publicação no Diário Oficial do município é uma resolução do "calendário letivo que permite tanto aulas na modalidade remota ou presencial", segundo Ferreirinha.

— Protocolo sanitário e de saúde, para que a gente possa ter um retorno seguro, isso está sendo feito junto com a saúde, a nossa secretaria de Saúde, será validado pelo comitê de especialistas de enfrentamento à Covid-19 em meados de janeiro para que a gente possa ter uma volta segura para todos — disse o secretário de Educação.

Segundo Ferrerinha, há um protocolo já debatido com a Saúde e que, agora, aguarda a validação do prefeito Eduardo Paes e do comitê. Entre a determinação para a volta às salas de aulas estarão pontos como:

- Distaciamento ideal entre carteiras

- O uso de máscara pelos alunos

- Quantidade de pessoas em sala de aula baseado na quantidade de janelas e ar-condicionado

- Organização do refeitório

- Dinâmica na hora do recreio

- Rodízio para colocar em sala uma quantidade reduzida de alunos

O secretário da pasta afirmou que há escuta com conselho, representantes, professores, responsáveis e diretores. A secretaria de Saúde também participa da discussão sobre o ensino híbrido — com parte virtual e parte presencial.

— Nós estamos fazendo esse plano de volta às aulas que leva em consideração todos esses elementos de sala de aula, no refeitório, como que vai ser toda a unidade escolar. Para isso, nós estamos fazendo um levantamento das 1.543 unidades - escolas, creches, EDIs - que nós temos na cidade para entender o problema de cada uma e assim adereçar uma solução — afirmou Ferreirinha.

Na manhã de quarta-feira, durante uma visita ao Hospital municipal Ronaldo Gazolla, o prefeito Eduardo Paes afirmou que as decisões sobre a volta às aulas têm sido tomadas junto aos especialistas do comitê do município.

— Um conselho de especialistas vai definir de maneira adequada como será essa retomada das aulas. Mas defendo, de maneira muito forte, que não parece compreensivel termos shoppings e praias abertas e termos escolas fechadas. As nossas crianças já sofreram demais. Obviamente vou respeitar aquilo que os especialistas disserem. Mas vamos trabalhar para as crianças voltarem a estudar (presencialmente) com todas as regras. Adoraria ter um posicionamento de como será o esquema. Mas ainda não temos — afirmou o prefeito ontem.

A rede municipal continua com as matrículas abertas para novos alunos e interessados em fazer transferência entre as unidades.