Província síria de Deraa tem confrontos mais mortais em três anos, segundo ONG

·1 minuto de leitura
(Arquivo) Imagem de 2017 mostra cidade de Daara após ataques rebeldes

Ao menos 23 pessoas morreram nesta quinta-feira (29) na província síria de Deraa, que registoru os confrontos mais violentos desde que foi reconquistada pelas forças de Bashar al Assad há três anos, informou uma ONG.

A província de Deraa, berço da revolta contra Assad em 2011, foi reconquistada em 2018. No entanto, em virtude de um acordo sem precedentes, os rebeldes foram autorizados a ficar. Desde então, atentados e ataques contra as forças pró-governo abalam a região.

As tensões se agravaram nesta quinta-feira com "os confrontos mais violentos desde que o governo assumiu o controle", segundo o OSDH, que registrou 23 mortes, entre elas oito civis.

As forças do governo dispararam obuses e tentaram avançar sobre o terreno para tomar o controle de Deraa al Balad, um bairro nas mãos de ex-rebeldes, informou.

Em represália, homens armados lançaram um contra-ataque nesta quinta-feira e destruíram várias posições do governo na província.

"Oito soldados sírios e milicianos aliados morreram nos confrontos", anunciou o OSDH, que afirma que "mais de quarenta combatentes pró-governo foram feitos prisioneiros durante os combates para conquistar várias posições na província".

O jornal pró-governo Al Watan informou "o início de uma operação militar contra terroristas" que "sabotaram o acordo de reconciliação", referindo-se a essas iniciativas negociadas pelas autoridades de Damasco com os rebeldes durante a reconquista.

A província de Deraa, no sul da Síria e que faz fronteira com Jordânia e Israel, possui uma autonomia relativa em parte de seu território.

Desde 2011, a guerra na Síria causou mais de 500.000 mortes e milhões de deslocados.

bur/ho/cbg/tgg/bfi/erl/mb/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos