PSB quer apoiar Boulos, mas Márcio França resiste e relembra 2018

CAMILA MATTOSO
·1 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 15.11.2020 - O candidato derrotado no 1º turno na disputa pelo cargo de prefeito de São Paulo, Márcio França (PSB). (Foto: Bruno Santos/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 15.11.2020 - O candidato derrotado no 1º turno na disputa pelo cargo de prefeito de São Paulo, Márcio França (PSB). (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente do PSB, Carlos Siqueira, e o ex-governador Márcio França (PSB) terão uma reunião na noite desta quinta-feira (19) para definir qual será o posicionamento do partido em relação ao segundo turno em São Paulo. Eles deverão anunciar uma posição após o encontro.

A cúpula do partido pende para o apoio a Guilherme Boulos (PSOL), em nome de uma união das siglas de esquerda. Siqueira, inclusive, já conversou com o candidato e com sua vice, Luiza Erundina (PSOL), que foi do PSB.

O argumento da sigla é que o partido deve se somar ao espectro da esquerda, apesar das diferenças, como fez em Porto Alegre, e distante de João Doria (PSDB).

Por outro lado, França resiste ao lembrar do segundo turno de 2018, quando disputou o governo de São Paulo contra Doria e não recebeu o apoio do PSOL.

Uma possibilidade colocada na mesa é a de que o partido apoie a chapa de Boulos sem o envolvimento de França, que se distanciaria do pleito. No entanto, o partido prefere que o ex-governador se engaje na disputa.