PSDB cobra MDB por apoio a Leite no Rio Grande do Sul

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Em carta, o diretório estadual do PSDB do Rio Grande do Sul cobrou apoio nesta quinta-feira do MDB naquele estado para apoiar a chapa do ex-governador Eduardo Leite na eleição ao Palácio Piratini. Os tucanos gaúchos querem reciprocidade dos emedebistas em troca do endosso da cúpula da sigla ao nome da senadora Simone Tebet (MDB-MS) para a corrida presidencial.

Datafolha: Lula tem 47%; e Bolsonaro, 28% de intenção de voto para presidente, diz pesquisa

Veja também: Lula venceria no primeiro turno, aponta pesquisa

Datafolha: Colunistas do GLOBO analisam pesquisa para presidente

Nas últimas semanas, o MDB do Rio Grande do Sul tem resistido as pressões da direção nacional para abrir mão da pré-candidatura do deputado Gabriel Souza. No texto, o presidente do diretório do PSDB no Rio Grande do Sul, Lucas Redecker, lembra que os dois partidos precisam se unir para fortalecer o palanque nacional de Tebet.

O movimento de Redecker ocorre após uma entrevista de Leite ao GLOBO mais cedo. Nela, o ex-governador deixou claro que a falta de contrapartida na eleição gaúcha pode ameaçar o apoio do PSDB a Tebet. Com isso, a carta de Redecker foi bem recebida pela direção nacional do MDB em suas redes sociais, que postou alguns trechos do texto e pregou o diálogo entre as duas siglas no Rio Grande do Sul.

O presidente nacional da legenda, Baleia Rossi, já pediu a correligionários gaúchos que ajudem na composição com Leite, mas até agora não foi atendido. Nos bastidores, houve até ameaças do partido de cortar os recursos da campanha de Souza. Ainda assim, emedebistas dizem que a única chance de desistirem da candidatura seria por meio de uma intervenção nacional.

Nesta manhã, caciques do MDB gaúcho se reuniram com Ana Amélia Lemos, que é apontada como a candidata ao Senado na chapa de Leite. Estavam presentes o ex-ministro Eliseu Padilha, o prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo, o ex-prefeito José Fogaça, além do próprio Gabriel Souza. O movimento foi lido como uma forma de enfraquecer o palanque de Leite, já que foi cogitada a possibilidade de Ana Amélia concorrer ao senado na composição com o MDB. Fontes ligadas a direção nacional da sigla, no entanto, minimizam a articulação e dizem que confiam na aliança e sugerem que as lideranças locais vão ceder nas próximas semanas.

Membros do MDB gaúcho contrários a aliança com o PSDB argumentam que o ex-governador está desgastado após renunciar ao mandato em abril para tentar concorrer à presidência. Eles citam pesquisas internas que dariam conta de que a maior parte da população rejeitou a saída de Leite do cargo e ainda a quebra de sua promessa de não concorrer à reeleição. Acrescentam também que a imagem do ex-governador ficou arranhada no episódio em que ele abriu mão de receber uma pensão de R$ 20 mil a ex-governadores. A decisão foi comunicada por Leite na segunda-feira após a repercussão negativa do caso.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos