PSDB convoca reunião para discutir posição do partido sobre impeachment de Bolsonaro

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
The Governor of Sao Paulo Joao Doria, was in Rio de Janeiro, and launched the preview of his candidacy for the Presidency of the Republic in the 2022 presidential elections, in a rhythm of samba, and crowds of people amidst the corona virus pandemic, covid19 he seeks votes in Rio for PSDB caucuses, his political party, was received with a presentation by the Imperatriz Leopoldinense samba school.Covid-19: Brazil registers 28,000 new cases and 698 deaths in 24 hours, the total number of deaths in the pandemic reached 574,209.

The number of people who have contracted the disease since the start of the pandemic has risen to 20,556,487. Between yesterday and today, 28,388 new cases were registered. On August 21, 2021 in Rio de Janeiro, Brazil. (Photo by Fabio Teixeira/NurPhoto via Getty Images)
PSDB tem se manifestado pelas redes sociais a favor da democracia no 7 de setembro (Foto: Fabio Teixeira/NurPhoto via Getty Images)
  • Lideranças do PSDB se reunião na quarta-feira para falar sobre a possibilidade de apoiar o impeachment de Jair Bolsonaro

  • Para a legenda, falas de Bolsonaro no 7 de setembro foram "gravíssimas"

  • Bolsonaro discursou em Brasília e atacou o Supremo Tribunal Federal

O presidente do PSDB, Bruno Araújo, convocou uma reunião Extraordinária da Executiva para discutir a posição do partido sobre uma abertura de processo de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido)

O anúncio da convocação foi feito nas redes sociais do partido e justifica a reunião dadas as "gravíssimas declarações do presidente da República no dia de hoje". O encontro será na quarta-feira (8).

Leia também

Ao longo do dia, o PSDB tem usado as redes sociais para falar em democracia. Adversário político de Bolsonaro, o governador de São Paulo, João Doria, afirmou que o país não pode tolerar retrocessos. 

"Foi num grito de independência há 199 anos. Não podemos tolerar retrocessos. Que o Estado Democrático de Direito e os valores da liberdade sempre prevaleçam sobre o autoritarismo p/ o Brasil voltar a crescer, gerar empregos e diminuir as diferenças sociais. Viva a independência", escreveu o tucano. 

O que disse Bolsonaro no discurso

Nesta terça-feira (7), em Brasília, Bolsonaro discursou e atacou o Supremo Tribunal Federal. "Ou o chefe desse poder enquadra o seu ou esse poder pode sofrer aquilo que nós não queremos. Que nós valorizamos e reconhecemos e sabemos o valor de cada poder da República. Nós todos aqui na Praça dos Três Poderes juramos respeitar a nossa Constituição. Quem age fora dela se enquadra ou pede pra sair", afirmou o presidente em discurso inflamado.

Em seguida, os apoiadores do presidente iniciaram uma sequência de gritos "Fora STF!". O discurso de Bolsonaro teve como alvo Luiz Fux, presidente do Supremo, além dos ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso.

O presidente deve voltar a discursar por volta das 16h na Avenida Paulista, em São Paulo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos