PSDB e PT ficam com maioria das comissões na Câmara de SP; casa vota prorrogação de auxílio

ARTUR RODRIGUES
·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 25.03.2020 - Prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB). (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 25.03.2020 - Prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB). (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Câmara Municipal de São Paulo tem nesta quinta-feira (11) seu primeiro dia de votações e elegeu os presidentes das comissões temáticas. Das sete comissões temáticas permanentes, PSDB e PT ficaram presidirão duas cada um.

Nesta quinta, também será feita a primeira votação da prorrogação do auxílio emergencial municipal, no valor de R$ 100. A ideia é que o benefício seja pago por mais três meses. Com apoio do governo e oposição, a medida deve ser aprovada.

A Câmara elegeu os presidentes das sete comissões, em acordo que respeitou a proporcionalidade das bancadas.

Os presidentes tem papel estratégico nas comissões, podendo convovar audiências públicas e controlando a pauta das reuniões.

Partido do prefeito Bruno Covas, o PSDB presidirá as comissões de Justiça, com Carlos Bezerra Jr., e de Administração Pública, com Gilson Barreto.

Já o PT presidirá as comissões de Finanças, com Jair Tatto, e Transportes, com Senival Moura --vereador que é próximo do setor de cooperativas de transporte.

Além das duas legendas, Paulo Frange (PTB) presidirá uma das principais comissões neste ano, a de Política Urbana. Por lá, será analisada a revisão do Plano Diretor, conjunto de regras que define o crescimento da cidade. Frange já atuava na comissão quando o atual Plano Diretor foi aprovado, em 2014.

Eliseu Gabriel (PSB), que é professor da USP, presidirá a comissão de Educação. Felipe Becari (PSD) será o único novato a presidente uma comissão, a de Saúde. Ele é policial civil e youtuber defensor da causa animal.

Apesar de ter seis vereadores, uma das maiores bancadas, o PSOL não presidirá comissão alguma. O partido ficou de fora do bloco de apoio que elegeu Milton Leite (DEM) para presidir a Casa, uma vez que decidiu lançar Erika Hilton (PSOL) para concorrer com o democrata.

O PSOL também decidiu se abster das votações para as comissões. A exceção foi Erika Hilton, que participou da votação que elegeu Eliseu Gabriel e Cris Monteiro (Novo), segundo integrantes do partido, por uma falha de comunicação.

A Casa votará nesta quinta a prorrogação do auxílio emergencial municipal, que tem valor de R$ 100.

O PSOL defende aumentar o valor do benefício para R$ 350. "A gente é a favor que se estenda o prazo. A prefeitura quer colocar o auxílio por mais três meses, mas isso é insuficiente. O auxílio precisa ser garantido enquanto durar o período da imunização. Não tem nenhum tipo de possibilidade da crise passar, dos empregos retomarem antes de termos a vacinação para todos", afirmou a líder do PSOL, Luana Alves.