PSDB venceu no primeiro turno em uma a cada quatro cidades de São Paulo

Dimitrius Dantas
·3 minuto de leitura
Bruno Santos / Agência O Globo
Bruno Santos / Agência O Globo

SÃO PAULO - Após duas eleições seguidas vendo o número de prefeituras sob seu comando diminuir, o PSDB voltou a crescer no estado de São Paulo, que governa há 26 anos. Segundo dados levantados pelo GLOBO, o partido elegeu 169 prefeitos no primeiro turno - ou seja, uma a cada quatro cidades. Em outras sete cidades, o partido venceu mas seus candidatos precisam resolver pendências com a Justiça antes de serem declarados eleitos. O partido chegou a ter 205 prefeituras no estado na eleição de 2008, mas caiu para 168 em 2012 e 164 em 2016. Este ano, o número ainda pode crescer para 183 caso o partido vença as disputas de segundo turno, como a na capital paulista, e todos os seus candidatos resolvam seus problemas com a Justiça Eleitoral.

O resultado confirmou a soberania do partido no estado: não apenas os tucanos tem mais do que o dobro de prefeituras do que o segundo partido, como também o segundo lugar coube ao DEM, principal aliado do PSDB no estado. O DEM saiu de 47 prefeituras sob seu comando e passou para 67 nesse ano, desbancando o MDB, o PSD e o PTB.

A força do PSDB no estado ainda pode se fortalecer caso o partido confirme o favoritismo na capital, onde Bruno Covas irá disputar o segundo turno contra Guilherme Boulos (PSOL) após ser o primeiro colocado no primeiro turno. Em outras seis cidades, o partido foi ao segundo turno liderando a corrida. Entre os destaques desse grupo estão duas das principais cidades da Baixada Santista, São Vicente e Praia Grande, além de Ribeirão Preto, onde o atual prefeito, Duarte Nogueira, ficou a menos de 5% dos votos válidos de ser eleito em primeiro turno.

A confirmação dessas vitórias dará novo gás ao projeto de frente ampla encampado pelo prefeito Bruno Covas, que contou com a formação de uma rede de 11 partidos aliados que, além do DEM, conta também com o MDB e o PP. O projeto é visto como um ensaio para a replicação dessa mesma frente daqui a dois anos, para a eleição presidencial, possivelmente com o atual governador, João Doria, na cabeça de chapa.

Assim como no restante do país, o estado também assistiu a um crescimento dos partidos do chamado Centrão: PSD, PL, PP e Republicanos aumentaram seu número de prefeituras.

Por outro lado, os partidos de esquerda voltaram a ver sua força no estado diminuída: por enquanto, o PT só elegeu 2 prefeitos no estado e o PSOL, um. O PSB, que tinha eleito 39 em 2016, dessa vez elegeu apenas 15. O PDT, que tinha 13 prefeitos, por enquanto elegeu apenas 5. Como padrão de comparação, em 2012 o PT elegeu 70 prefeitos no estado. No segundo turno, o partido ainda tem chance de recuperar a Prefeitura de Diadema. A cidade tem importância histórica para o partido: foi o primeiro município comandado pelo partido em sua história, em 1982. Entretanto, apesar do simbolismo de uma nova vitória na cidade, o candidato do partido reforça a dificuldade de renovação do PT: José de Filippi Junior, que já comandou a cidade por três mandatos, de 1993 a 1996 e de 2001 a 2008.