Psicóloga visita Torres na prisão por apresentar 'abalo psicológico'

Pessoas próximas informaram que ex-ministro está abatido e angustiado

Anderson Torres recebeu a visita de uma psicóloga na prisão (REUTERS/Adriano Machado)
Anderson Torres recebeu a visita de uma psicóloga na prisão

(REUTERS/Adriano Machado)

O ex-ministro da Justiça Anderson Torres recebeu a visita de uma psicóloga nesta terça-feira (17) no local onde está preso, no 4º Batalhão da Polícia Militar, em Brasília. Segundo pessoas próximas, ele não tem conseguido superar o abatimento desde que foi informado sobre a ordem de prisão.

Ao Globo, interlocutores que mantiveram contato com Torres nos últimos dias disseram que ele se encontra “abalado” e “angustiado”.

Como foi a visita da psicóloga? A profissional se encontrou com o ex-ministro na cela em que ele está preso. Ela atua na Secretaria de Saúde do Distrito Federal.

Torres também recebeu a visita de seu advogado, Rodrigo Roca.

Abalo emocional. Torres foi preso pela Polícia Federal no último sábado (14), ao desembarcar em Brasília. Ele passava as férias nos Estados Unidos.

Logo após o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinar a prisão, no dia 10 de janeiro, Torres conversou com uma pessoa de quem é próximo, que informou que o ex-ministro fazia questionamentos sucessivos como:

  • “O que eu fiz para ser preso?”

  • “O que eu deixei de fazer?”

Por que Torres foi preso? Ele é acusado de ter facilitado os atos terroristas no Distrito Federal no dia 8 de janeiro e de ter sabotado o esquema de proteção montado para evitar os ataques.

Torres sequer estava em Brasília no momento da invasão e depredação da sede dos Três Poderes. Como era secretário de Segurança do DF, era a maior autoridade em segurança da capital depois do governador Ibaneis Rocha (MDB), afastado por ordem de Moraes.

Em despacho, Moraes aponta que houve “descaso” e “conivência”.

Blindagem fracassada. Pessoas de confiança de Torres se surpreenderam com a ordem de Moraes contra ele. O ex-ministro acreditava, inclusive, ter construído uma relação de respeito com alguns dos principais magistrados, o que poderia blindá-lo na Justiça.

O que diz Torres? O político afirma que:

  • Sempre se pautou pela ética;

  • Nunca se omitiu ou agiu para prejudicar o esquema de segurança do dia 8;

  • Pretendia destruir a minuta golpista encontrada em sua casa – documento que complicou ainda mais sua situação.