Psiquiatra americano Robert Spitzer morre aos 83 anos

A bandeira do movimento LGBT é vista em frente à Suprema Corte dos EUA, em Washington, DC, no dia 26 de junho de 2015

O psiquiatra norte-americano Robert Spitzer, que ajudou a estabelecer novos padrões para doenças mentais e tirou a homossexualidade da lista de transtornos, morreu aos 83 anos - informou a imprensa local nesta terça-feira.

Spitzer faleceu no último 25 de dezembro na cidade de Seattle vítima de complicações no coração, afirmou ao jornal The New York Times a esposa dele, Janet Williams. Ele também sofria com o mal de Parkinson.

Nos anos 1970, Spitzer teve um papel de liderança na revisão do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM, na sigla em inglês), principal guia de diagnósticos da área.

Suas contribuições para várias edições do DSM são vistas como revolucionárias, ajudando a redefinir muitos dos comportamentos classificados como transtornos, utilizando padrões rigorosos - em vez de se basear nas classificações relativas à análise freudiana.

A homossexualidade, que até a década de 1970 era listada como um transtorno mental no DSM, foi um dos focos de pesquisa de Spitzer.

O médico trabalhou ativamente pela mudança após reuniões com ativistas dos direitos gays, concluindo que, se gays e lésbicas estão confortáveis ​​com sua sexualidade, isso não poderia ser um transtorno.

Mas Spitzer gerou polêmica em 2001, quando publicou um estudo que descrevia uma terapia "reparativas" para alterar o comportamento homossexual. Ativistas gays protestaram, e ele pediu desculpas publicamente em 2012, dizendo que era a única coisa em sua carreira de que se arrependia.

O psiquiatra deixa a esposa e cinco filhos.