PSL sinaliza Joice Hasselmann como candidata à Prefeitura de São Paulo

O convite ocorreu nesta terça-feira (27), durante um evento voltado para empresários da área de infraestrutura. (Foto: Reuters/Amanda Perobelli)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • PSL foi proibido pelo TSE de formalizar diretório em São Paulo pela não prestação de contas

  • Deputada e senador fizeram trégua após serem desafetos declarados desde 2018

“Está na hora de colocarmos as divergências de lado em nome de um interesse maior que é o partido”, disse o senador Major Olímpio (PSL-SP) ao convidar a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) para ser candidata à Prefeitura de São Paulo pelo PSL. O convite ocorreu nesta terça-feira (27), durante um evento voltado para empresários da área de infraestrutura.

Os dois eram desafetos declarados desde a pré-campanha de 2018, quando se alinharam a Bolsonaro. Mas conseguiram costurar um acordo que beneficia ambos: Major Olímpio apoia a campanha de Joice Hasselmann à Prefeitura e, em troca, ela não atrapalha a corrida dele ao governo de São Paulo em 2022.

Leia também

“A Joice está nessa luta como líder no Congresso, queremos que ela continue nessa luta até o meio do ano que vem, mas a partir daí queremos fazer um desafio à Joice. Todo mundo sabe que tivemos atritos, até com dificuldade de lembrar do que foram os atritos, mas o PSL e o presidente Bolsonaro têm procurado candidaturas fortes no ano que vem. Então fica o desafio, Joice, para que você possa amadurecer a ideia e pense com muito carinho na possibilidade de se colocar como pré-candidata à Prefeitura de São Paulo”, disse o senador em seu discurso durante o evento.

ASSÉDIO AOS QUADROS

O PSL sinaliza a candidata à prefeitura no momento em que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), assedia quadros do partido. Além de criticar Jair Bolsonaro, Doria tem como aliados o deputado Alexandre Frota (SP) e o suplente de senador Paulo Marinho (RJ), que saíram do partido do presidente.

Joice Hasselmann participou da campanha de Doria em 2018 e é amiga pessoal do tucano – por isso, é alvo de ataques de grupos bolsonaristas nas redes sociais.

Ao jornal O Estado de São Paulo, a deputada confirmou a intenção de se candidatar. Ela diz que a falta de apoio de Olímpio era um dos obstáculos: “Tudo caminha para o sim. Não poderia dizer sim sem que a executiva estadual de São Paulo estivesse unida”.

Hasselmann afirma, ainda, que Bolsonaro já demonstrou interesse na candidatura. Em uma conversa há um mês e meio, o presidente teria sugerido que gostaria de ter uma mulher no comando do terceiro maior orçamento do Brasil.

No entanto, a candidatura ainda não pode ser formalizada pelo PSL, que está proibido pela Justiça Eleitoral de formalizar um diretório em São Paulo. O partido não prestou contas da sua movimentação financeira entre 2009 e 2018.