PSOL deve lançar candidatura própria à Presidência da Câmara

Maurício Ferro
·2 minuto de leitura
Foto: Câmara dos Deputados

O PSOL deve lançar uma candidatura própria para a Presidência da Câmara. O entendimento tende a ser consolidado na reunião da Executiva do partido, marcada para a próxima sexta-feira. A candidata deve ser a deputada federal Luiza Erundina (SP).

A decisão de lançar candidata própria ocorre em meio à divisão interna da bancada da legenda, composta por 10 deputados (quatro homens e seis mulheres), conforme o GLOBO mostrou em reportagem publicada na última quarta-feira.

De um lado, há quem defenda lançar uma candidatura de esquerda para deixar claras as pautas do campo progressista junto à sociedade. De outro, há quem prefira apoiar o deputado federal Baleia Rossi (MDB-SP), deixando de lado as divergências ideológicas na hora da eleição para tentar evitar a vitória em 1º turno do deputado federal Arthur Lira (PP-AL), alinhado ao presidente Jair Bolsonaro.

A bancada do PSOL se reuniu na última sexta-feira, e a votação deixou exposto o “racha” na sigla: 5 a 5. Ficaram em lados opostos, por exemplo, o casal de deputados federais Glauber Braga (RJ), favorável a uma candidatura progressista, e a líder do partido na Câmara, Sâmia Bomfim (SP), que prefere apoiar Baleia.

Depois do encontro dos congressistas da legenda, ficou definido que a Executiva bateria o martelo sobre o lançamento ou não de candidatura própria. Conforme o GLOBO apurou, a tendência é que a opção seja por lançar um nome da sigla à Presidência.

A deputada Luiza Erundina é a favorita pela experiência e por ser uma mulher, o que agrada até os congressistas que preferem apoiar o candidato emedebista, que já é apoiado oficialmente pelo PT e outros quatro partidos de esquerda.

Sâmia Bomfim afirmou em entrevista ao GLOBO no último dia 5 que a candidatura de uma mulher “seria um diferencial” para a esquerda. Naquela ocasião, ela citou o nome de Erundina e a qualificou como uma “figura histórica” e “tradicional”.

– Os nomes que circulam são nomes assim, de mulheres com tradição, respeitadas e que têm trânsito em todas as bancadas – afirmou a líder do PSOL.