PSOL oficializa apoio a Lula e adia debate sobre compor eventual governo

SÃO PAULO, SP, 30.04.2022 - ELEIÇÕES-PSOL-APOIO-LULA - O coordenador do MTST Guilherme Boulos e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante encerramento da conferência do PSOL no Hotel Grand Mercure Ibirapuera, na zona sul da capital paulista, neste sábado (30). O PSOL oficializou o apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições presidenciais de outubro. A decisão foi anunciada na tarde deste sábado (30), após realização da conferência nacional do partido. Foram 35 votos a favor do apoio e 25 contrários. (Foto: Bruno Santos/ Folhapress)
SÃO PAULO, SP, 30.04.2022 - ELEIÇÕES-PSOL-APOIO-LULA - O coordenador do MTST Guilherme Boulos e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante encerramento da conferência do PSOL no Hotel Grand Mercure Ibirapuera, na zona sul da capital paulista, neste sábado (30). O PSOL oficializou o apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições presidenciais de outubro. A decisão foi anunciada na tarde deste sábado (30), após realização da conferência nacional do partido. Foram 35 votos a favor do apoio e 25 contrários. (Foto: Bruno Santos/ Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O PSOL oficializou o apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições presidenciais de outubro. A decisão foi anunciada na tarde deste sábado (30), após realização da conferência nacional do partido. Foram 35 votos a favor do apoio e 25 contrários.

Esta será a primeira vez, desde a fundação do partido, em 2004, que o PSOL não lança uma candidatura própria à Presidência.

No encontro foi discutido o programa político que o partido irá defender. Também foi aprovada uma resolução para que a decisão de compor um eventual governo petista ou a base aliada no Congresso seja debatida somente após as eleições.

"É um marco importante para a unidade da esquerda no país. Entendemos que o enfrentamento ao Bolsonaro e ao fascismo é maior do que as diferenças que existem no campo progressista. Vamos nos envolver com força na campanha do Lula e na mobilização em todo o país", afirmou à reportagem o líder sem-teto Guilherme Boulos, pré-candidato a deputado federal pelo PSOL.

Com o apoio, o PSOL deve indicar integrantes para atuar na coordenação da pré-campanha. O ex-presidente Lula deve participar de ato com o PSOL ainda neste sábado.

Segundo o vereador Chico Alencar (PSOL-RJ), o partido manterá a sua identidade e "não será um aliado submisso". Ele diz ainda que as eleições serão difíceis e que o resultado não está decidido.

O nome do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSB) para ser vice de Lula na chapa presidencial também era um ponto questionado por psolistas. Alencar afirma, no entanto, que é "preciso engolir" essa decisão.

"Alckmin tem uma história política que é oposta a nossa. A conjuntura, no entanto, pede que você suporte algumas dificuldades para combater o bolsonarismo. Vamos trabalhar para que a visão de mundo do Alckmin não prevaleça", disse.

"O PSOL segue independente e o diretório fará a discussão sobre composição de governo. Da nossa parte, seguiremos ao lado do povo batalhando por um programa para as maiorias", disse a deputada Talíria Petrone (PSOL-RJ).

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que também deverá atuar na coordenação da pré-campanha de Lula, afirmou que é preciso ampliar ainda mais as alianças em torno do petista.

"A tarefa de 2022 não é eleitoral, é civilizatória. E ela não é tarefa para uma mão. Lula não é o candidato de um partido, mas sim de um movimento de defesa da democracia", afirmou.

O parlamentar disse ainda que é preciso que demais pré-candidatos entendam a conjuntura do momento atual. "Tenho respeito pela candidatura do meu amigo Ciro Gomes [PDT], respeito a terceira via. Mas advogo para que eles compreendam o momento que estamos diante. Não é uma situação qualquer."

Pré-candidato ao Governo de São Paulo pelo PT, o ex-prefeito Fernando Haddad afirmou que espera que essa decisão "seja seguida por todos os democratas brasileiros". "Todo mundo que lutou pela democracia deveria estar hoje em torno do Lula e do Alckmin, sem exceção", disse.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos