PT decide apoiar Baleia Rossi, candidato de Rodrigo Maia, à presidência da Câmara

Bruno Góes e Natália Portinari
·2 minuto de leitura
Foto: Jorge William/ Agência O Globo

O PT decidiu nesta segunda-feira, por 27 votos a 23, apoiar a candidatura de Baleia Rossi (MDB-SP) à presidência da Câmara dos Deputados. Em reunião da bancada, que durou mais de duas horas, os parlamentares bateram o martelo sobre a eleição de fevereiro. Os deputados, por maioria, excluíram a possibilidade de lançamento de candidatura própria, cogitada por parte da bancada no início das negociações.

Ainda nesta segunda-feira, PSB, PCdoB, PDT e Rede devem formalizar, em ato com a participação do PT, o apoio ao emedebista. A ideia é fazer uma videoconferência para tornar pública a união de partidos de esquerda para a disputa.

Na reunião, os petistas defenderam o lançamento de um programa com propostas para a Câmara nos próximos dois anos, como combater políticas do presidente Jair Bolsonaro e apreciar pedidos de impeachment que estejam fundamentados em indícios de crimes de responsabilidade.

A ideia é mostrar que o apoio a Baleia não significa abrir mão de bandeiras de esquerda. A presidente do partido, Gleisi Hoffmann (PR), estava entre os 27 deputados que votaram a favor de apoiar Baleia Rossi já no primeiro turno.

Com a decisão, o bloco de Baleia Rossi e do atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pretende consolidar a participação de onze partidos. Juntas, essas siglas somaram 281 deputados na eleição de 2018, número levado em conta para a distribuição de cargos para a Mesa Diretora. Integram o grupo DEM, MDB, PSDB, PSL, Cidadania, PV, PT, PSB, PDT, Rede e PCdoB.

Já Arthur Lira (PP-AL), apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro, conseguiu formar um bloco com PP, PL, PSD, Republicanos, Avante, Patriota, Solidariedade, Pros e PSC. Essas legendas elegeram 181 parlamentares. O líder do PP ainda negocia com PTB e Podemos.

Na quarta-feira, Lira embarca para fazer um tour pelos estados da Região Norte. O objetivo é conquistar votos de dissidentes e consolidar o apoio já oferecido por aliados. O deputado passará por Macapá, Belém, Boa Vista, Manaus, Rio Branco e Porto Velho.