PT e PSOL defendem revogação da reforma trabalhista, mas não fecham acordo sobre a Previdência

·1 min de leitura
*ARQUIVO* SAO PAULO -SP - POLITICA/COTIDIANO - O ex-presidente Lula visita a um condomínio Novo Pinheirinho, do MTST, em Santo André ao lado do líder sem-teto Guilherme Boulos e do candidato ao governo do estado, Fernando Haddad 2503/2022 (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)
*ARQUIVO* SAO PAULO -SP - POLITICA/COTIDIANO - O ex-presidente Lula visita a um condomínio Novo Pinheirinho, do MTST, em Santo André ao lado do líder sem-teto Guilherme Boulos e do candidato ao governo do estado, Fernando Haddad 2503/2022 (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A revogação da reforma da Previdência ficou fora do acordo programático firmado entre o PT e o PSOL para uma aliança em torno da candidatura de Lula (PT) à Presidência da República.

Em compensação, as legendas aprovaram a defesa da revogação da reforma trabalhista e do teto de gastos.

O martelo em torno das ideias a serem defendidas na campanha eleitoral foi batido nesta terça (26), depois de vários dias de conversa entre uma comissão do PT integrada pela presidente do partido, Gleisi Hoffmann, o ex-ministro Aloizio Mercadante e o deputado federal José Guimarães e, pelo lado do PSOL, pelo presidente do partido, Juliano Medeiros, por Guilherme Boulos (PSOL-SP) e pela deputada federal Talíria Petrone (PSOL-RJ).

O texto consolidado entre as legendas estabelece o compromisso de revogar o que chama de "medidas implementadas após o golpe de 2016", em referência ao governo de Michel Temer (MDB), estabelecido após o impeachment de Dilma Rousseff (PT).

A revogação da reforma trabalhista é citada junto à proposta de "construção de políticas que protejam trabalhadores". Elas seriam viabilizadas por meio do fortalecimento da representação sindical e do oferecimento de "especial atenção" a trabalhadores informais e de aplicativos.

As siglas também se comprometem a revogar o teto de gastos e a fazer uma "reforma tributária em que os pobres paguem menos e os ricos paguem mais", além de "um amplo e robusto programa de transferência de renda para reduzir desigualdades no Brasil".

O acordo programático também inclui propostas de aumento real do salário mínimo, criação dos ministérios de Igualdade Racial e de Políticas para as Mulheres e o desenvolvimento de políticas que reconheçam "o direito das identidades de gênero e suas expressões".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos