PT 'encolhe' no Executivo e no Legislativo em relação aos dois mandatos anteriores de Lula

O terceiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) começará num cenário bem menos confortável do que o primeiro. Quando o petista assumiu a Presidência da República pela primeira vez, em 2002, seu partido tinha a maior bancada da Câmara dos Deputados: eram 91 parlamentares, distante dos 68 eleitos neste ano. No Senado Federal, a situação também era melhor há 20 anos. O partido somava 14 senadores. Hoje, tem nove.

O quadro já tem demandado esforços por parte da legenda comandada pela deputada Gleisi Hoffmann. Em busca de uma maioria para aprovar projetos no Congresso Nacional, o partido tenta uma aliança com MDB, União Brasil e PSD, siglas que, excluindo as que fazem parte da atual base de Jair Bolsonaro (PL), reúnem as maiores bancadas na Câmara.

Mas não é só no Congresso que Lula terá um PT mais enxuto do que em 2002 e mesmo 2006. Levantamento do GLOBO mostra que o partido perdeu expressão nas prefeituras do país e nas assembleias legislativas do primeiro mandato do petista para cá. Veja os números:

Quando Lula foi reeleito em 2006, o PT tinha 411 prefeitos espalhados pelo país, sendo nove em capitais. Agora, não está à frente de nenhuma capital e os chefes dos Executivos Municipais caíram mais do que a metade: há petistas no comando de 179 municípios, mostra o levantamento. O mesmo vale para os deputados estaduais e distritais. Eram 147 em 2002, depois 126 em 2006 e 118 agora.

O único salto do partido de 2002 para cá foi em relação ao número de governadores. Eram três quando Lula venceu pela primeira vez, agora são quatro — Elmano de Freitas (Ceará), Rafael Fonteles (Piauí), Fátima Bezerra (Rio Grande do Norte) e Jerônimo Rodrigues (Bahia). O número, porém, é menor do que em 2006, quando o partido tinha cinco chefes dos executivos Estaduais.

Os números refletem o desafio da legenda para superar o antipetismo e crescer nos próximos quatro anos. Ao mesmo tempo em que tem mais simpatizantes, o PT é o partido mais rejeitado do país, mostra pesquisa Datafolha divulgada no sábado. Quando perguntados sobre qual legenda têm simpatia, 35% dos eleitores citam o PT. Por outro lado, 39% dizem que não votariam de jeito nenhum na sigla. A pesquisa, contratada pelo jornal Folha de S.Paulo e pela TV Globo, ouviu 4.580 eleitores em 252 municípios de todo o Brasil e foi registrada na Justiça Eleitoral sob o protocolo BR-04208/2022.