PT oficializa Haddad como candidato ao governo de São Paulo

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Fernando Haddad, candidato ao governo de São Paulo, pelo Partido dos Trabalhadores.(Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)
Fernando Haddad, candidato ao governo de São Paulo, pelo Partido dos Trabalhadores.(Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)

O Partido dos Trabalhadores (PT) oficializou neste sábado (23) a candidatura de Fernando Haddad ao governo de São Paulo.

O nome de Haddad foi aprovado em uma votação da executiva estadual do partido. Houve apenas duas abstenções. A escolha do vice que vai compor a chapa com o ex-prefeito de São Paulo ainda não foi definida. A convenção do partido não chegou a nenhum nome específico, porém cogita-se a ex-ministra Marina Silva (Rede) ou o ex-prefeito de Campinas, Jonas Donizete (PSB).

Na reunião dos correligionários houve também a aprovação da coligação do PT com o PSB. O então pré-candidato do partido ao governo de SP, Márcio França, vai disputar uma vaga no Senado.

O partido aprovou, ainda, todas as candidaturas a deputado federal e estadual.

O evento contou com a presença de Geraldo Alckmin (PSB), candidato a vice-presidente na chapa com Lula, e sua esposa Maria Lúcia Alckmin. Na última pesquisa Datafolha, de 30 de junho, Haddad liderava com 34%.

Formação

Fernando Haddad é bacharel em direito pela Universidade de São Paulo (USP). Ele possui mestrado em Economia, com especialização em economia política, e é doutor em Filosofia, ambos pela USP. Ele atuou como professor de Teoria Política Contemporânea no Departamento de Ciência Política da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Sociais da USP, analista de investimento do Unibanco e consultor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

Em 2001, assumiu a chefia de gabinete da secretaria municipal de Finanças de São Paulo na gestão da prefeita Marta Suplicy. Dois anos depois, se tornou assessor especial do ministro do Planejamento, Guido Mantega. Ele também foi secretário Executivo do Ministério da Educação e se tornou ministro da pasta durante o governo do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva.

Em 2012, ele se elegeu prefeito da capital paulista tendo disputado a reeleição em 2016, mas acabou perdendo para o tucano João Doria. Em 2018, foi o candidato do PT à Presidência e perdeu no segundo turno para o presidente Jair Bolsonaro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos