PT reelege Gleisi e fala em aproximação com o centro político

Sérgio Roxo

SÃO PAULO. A deputada federal Gleisi Hoffmann (PR) foi reeleita neste domingo para comandar o PT por mais quatro anos durante congresso do partido realizado em São Paulo. A resolução final do encontro propõe a busca de setores do centro político e a necessidade de construir "uma maioria consistente na sociedade que não seja apenas eventual".

Uma emenda ao texto incluída neste domingo permite que o partido, a depender das circunstâncias, assuma a defesa do impeachment do presidente Jair Bolsonaro. Gleisi recebeu 71,5% dos votos dos 792 delegados na votação indireta. Os outros dois candidatos, a deputada Margarida Salmão (MG) e Valter Pomar, tiveram 16,8% e 11,8% dos votos, respectivamente.

Margarida e Pomar representavam correntes de esquerda. O deputado Paulo Teixeira (SP) desistiu da disputa na última hora para apoiar Gleisi.Desde que foi eleita pela primeira vez para comandar o partido em 2017, Gleisi acumulou uma série de conflitos com integrantes da corrente majoritária, a Construindo um Novo Brasil (CNB), da qual faz parte. A deputada também teve atritos com o candidato do partido à Presidência da República em 2018, Fernando Haddad.

Apesar das resistências, a recondução de Gleisi para mais um mandato à frente do PT foi bancada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Alguns caciques chegaram a articular o lançamento de Haddad para o posto, mas a ideia não se viabilizou.Devido a impasses provocado por disputas por cargo de destaque, como o de tesoureiro, a definição dos demais integrantes da executiva foi adiada para as próximas semanas.No texto final do congresso, prevaleceu a linha de atuação defendida pela CNB.

Correntes de esquerda queriam a adoção da bandeira "fora Boslonaro", que foi rejeitada com o argumento de que, no momento, sera uma "palavra de ordem vazia" diante da falta de apoio popular.

Como uma forma de contemporizar com esses grupos, a própria CNB incluiu uma emenda que diz que "a partir da evolução das condições sociais e percepção pública sobre o caráter do governo da correlação de forças, a direção nacional do partido, atualizando a tática para enfrentar o projeto do governo Bolsonaro, poderá exigir a sua saída".

Mesmo com a menção a busca de setores de centro, o documento aprovado pelos petistas não demonstra concessões a esse campo político. A reforma da Previdência, que teve adesão de políticos de centro, é chamada de "elitista e excludente".

Os cortes de gastos públicos também são atacados.A resolução fala em necessidade da "mais ampla unidade da esquerda" e diz que a busca de outras alianças deve ser dar para temas como a defesa do Estado de Direito.

"Não há contradição entre consolidar a unidade dos progressistas e, ao mesmo tempo, buscar alianças mais amplas, até com personalidades e setores de centro, em prol do Estado de Direito e de outras causas que extrapolam o campo das esquerdas, como a defesa da universidade pública ou o combate à homofobia, entre outras. Sem falar, naturalmente, na luta pela liberdade de Lula", diz o documento.

O documento vê a ampliação do campo como um caminho para voltar ao poder.

"Trata-se de construir uma maioria consistente na sociedade – que não seja apenas eventual, conjuntural, mas que se afirme como verdadeira hegemonia democrática de ideias e valores – se queremos chegar novamente ao governo federal com efetiva sustentação para promover as mudanças imediatas e históricas", diz.

Com relação à eleição municipal de 2020, o partido diz que um deus objetivos será "derrotar a ultradireita" e que o povo terá a oportunidade de expressar nas urnas o seu descontentamento com o projeto de Bolsonaro.

"Procuraremos também construir alianças que permitam fortalecer o polo de oposição democrática, comprometido com a defesa dos direitos, da realização da justiça social, e da soberania do Brasil".

Ao contrário dos encontros realizados no período em que estava no poder, o congresso encerrado neste domingo foi marcado pela contenção de gastos. Delegados de estados vizinhos a São Paulo tiveram que viajar de ônibus. Para que o partido não tivesse que pagar mais uma diária de hotel, muitos deles tiveram suas passagens marcadas para a tarde de domingo. Por isso na hora da proclamação do resultado, no começo da noite, havia pouca gente no salão da casa de eventos alugada pelo partido no centro da capital paulista.

Ao ser proclamada vencedora, Gleisi agradeceu a Lula pelo apoio e defendeu o discurso do ex-presidente após ser solto em que conclamava o povo a ir às ruas. - O povo vai ter que reagir (...) É nas ruas que o povo vai vencer essa pauta de retrocesso do g.A presidente petista também defendeu a volta de Lula ao poder.- Nós queremos lula percorrendo o Brasil. Nós queremos Lula presidente novamente.