PT e outros seis partidos entrarão com pedido coletivo de impeachment contra Bolsonaro

Anita Efraim
·2 minuto de leitura
El presidente Jair Bolsonaro, con una mascarilla para protegerse del coronavirus, cierra brevemente los ojos durante un evento para promover una campaña contra la violencia doméstica el viernes 15 de mayo de 2020, en el palacio presidencial de Planalto, en Brasilia, Brasil. (AP Foto/Eraldo Peres)
Pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro é assinado por sete partidos e 400 instituições (Foto: AP Foto/Eraldo Peres)

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, anunciou nesta quinta-feira que será dada a entrada de um pedido coletivo de impeachment do presidente Jair Bolsonaro. Segundo Gleisi, o documento junta sete partidos políticos e mais de 400 entidades.

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

“Bolsonaro precisa ser impedido, seu governo está levando o Brasil e a maioria do povo para uma tragédia”, escreveu a petista. Entre as siglas que assinaram o pedido coletivo estão PCdoB, PSOL, PSTU, PCB, PCO e UP, além do PT.

Em nota, o Partido dos Trabalhadores explica que Bolsonaro é acusado de cometer crimes de responsabilidade, atentar contra a saúde pública e arriscar a vida da população pelo comportamento à frente da pandemia do coronavírus. “Bolsonaro não tem condições políticas, administrativas e humanas de governar o Brasil. Briga com todo mundo o tempo inteiro e não protege o povo. Tem de ser impedido”, disse Gleisi Hoffmann em nota divulgada pelo partido.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Instituições como o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, Associação Brasileira de Economistas pela Democracia, Marcha Mundial das Mulheres e Movimento Negro Unificado estão entre os signatários do pedido.

Leia também

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Para que o processo de impeachment de Bolsonaro seja levado à cabo, é necessário que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, acate o pedido. Até o momento, há cerca de 26 requerimentos para o impedimento do atual presidente da República.