Publicações apontam falsamente que idosa chamada Nilma Marson faleceu em ginásio da PF

Uma idosa chamada Nilma Marson não morreu nas dependências da Polícia Federal (PF) em Brasília, onde estão detidos indivíduos que invadiram os edifícios dos Três Poderes em 8 de janeiro de 2023. A enteada da senhora confirmou ao AFP Checamos que ela está viva. Marson gravou um vídeo no qual disse: “Estou viva, sã e salva. Nunca morri”. A Polícia Federal informou em 11 de janeiro que não houve mortes entre os detidos.

“Soube agora a pouco q a Dona Nilma Marson, q frequentava o QG de Juiz de Fora, veio a óbito no ginásio em BRASILIA”, dizem publicações compartilhadas milhares de vezes no Twitter, no Facebook, no TikTok, no Instagram e no WhatsApp.

Captura de tela feita em 11 de janeiro de 2023 de uma publicação no Twitter ( .)

Nilma Marson é mais uma idosa que tem sua imagem vinculada a supostas mortes nas dependências da Polícia Federal, onde estão detidos indivíduos que invadiram as sedes dos Três Poderes em 8 de janeiro de 2023. A equipe de verificação da AFP já desmentiu outro boato envolvendo a foto de uma idosa retirada de um banco de imagens.

A alegação sobre as mortes ocorre em meio a comparações entre o ginásio da PF e campos de concentração nazistas, algo que foi rechaçado por instituições como o Museu do Holocausto.

Mas um comentário em uma das publicações virais indicou que a história sobre Nilma não era verdadeira. Um usuário respondeu a um tuíte com uma captura de tela de uma publicação no Facebook que dizia: “Minha madrasta não morreu em Brasília. O Nome dela É Nilma Marson”.

O texto, publicado por uma usuária chamada Sylvia Marson, continuava: “Eu e meu irmão falamos com ela por telefone hoje. Estão compartilhando isso e ainda falando que ela morreu no campo de concentração (???). É inacreditável que eu tenha que vir aqui fazer isso. As pessoas espalham as coisas sem checar NADA”.

Uma busca no Facebook levou à postagem original:

Captura de tela feita em 11 de janeiro de 2023 de uma publicação de Sylvia Marson no Facebook ( .)

Por telefone, Sylvia disse ao AFP Checamos que conversou com sua madrasta na manhã do dia 10 de janeiro, quando ela a informou das publicações falsas. Nilma encaminhou a captura de tela de uma mensagem que havia sido enviada em um grupo de WhatsApp.

À enteada, ela disse: “Me mandaram uma foto dizendo que eu morri”. Em seguida, completou: “Uma mentira só isso”. A conversa pode ser vista na captura de tela a seguir, enviada por Sylvia Marson à equipe de verificação digital da AFP:

Captura de tela de uma conversa no WhatsApp entre Nilma e Sylvia Marson, enviada ao AFP Checamos em 11 de janeiro de 2023 ( .)

Novas pesquisas pelo nome de Nilma Marson no Facebook levaram a uma publicação da página Região em Notícias que dizia: “Dona Nilma está viva!”. No vídeo que acompanha a legenda, uma senhora diz: “Estou viva, sã e salva. Nunca morri”. A enteada de Nilma confirmou à AFP que a mulher vista na gravação é sua madrasta.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Em 11 de janeiro de 2023, a assessoria de imprensa da Polícia Federal informou ao AFP Checamos que não houve mortes em suas dependências.