Pulseira inteligente consegue identificar Covid-19 até dois dias antes do surgimento de sintomas, revela estudo inédito

Um bracelete criado para detectar os períodos de fertilidade em mulheres conseguiu detectar a Covid-19 antes mesmo de os sintomas aparecerem, mostrou um estudo publicado ontem na revista científica BMJ Open. A descoberta é de um consórcio de pesquisadores internacionais destinado a avaliar o uso de aparelhos wearables, como relógios inteligentes, para detecção precoce e monitoramento da doença, o COVID-RED.

'Vivi o horror': Luciano Szafir desabafa em entrevista exclusiva sobre as três internações por Covid e o risco de morrer da doença

Desequilíbrio mata: Teste de equilíbrio feito em casa mostra se uma pessoa corre maior risco de morte; entenda

Caso Gleycy Correia: Mortes por cirurgia nas amígdalas são 'extremamente raras'; entenda

No novo trabalho, o bracelete da marca AVA conseguiu identificar a doença em 68% dos casos dois dias antes de a pessoa manifestar sinais de que estava infectado. Para chegar à conclusão, os cientistas incluíram 1.163 participantes, de cerca de 44 anos, no estudo conduzido na Europa.

“(O estudo) mostrou que a detecção pré-sintomática de alterações relacionadas à Covid-19 nos parâmetros fisiológicos utilizando uma pulseira de sensor é algo viável. Nós encontraram mudanças significativas na frequência cardíaca, mudança da frequência cardíaca e temperatura do pulso ocorrendo em pacientes positivos para Covid-19 durante o período pré-sintomático. O novo algoritmo detectou 68% das infecções por SARS-CoV-2 confirmadas em laboratório dois dias antes da ocorrência dos sintomas”, escreveram os pesquisadores do estudo.

Veja os sintomas mais frequentes: Mulheres correm mais risco de ter Covid longa que homens, aponta estudo

Assim como para detectar a fertilidade de mulheres, o bracelete da AVA utiliza três sensores para medir nove biomarcadores como frequência respiratória; frequência cardíaca, e sua variação; temperatura da pele no punho; qualidade e quantidade do sono, entre outros. Para isso, ele coleta os dados a cada 10 segundos e precisa que a pessoa durma por ao menos quatro horas ininterruptas.

Nos Estados Unidos, o produto foi o primeiro dispositivo wearable para medir a fertilidade a receber o aval da Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora dos Estados Unidos, em 2021. Lá, o dispositivo da AVA custa cerca de 250 dólares – aproximadamente 1.300 reais.

No estudo, os participantes utilizaram o bracelete durante a noite – período em que o aparelho realiza as medições – entre abril de 2020 e março de 2021. Quando relatados sintomas da Covid-19, eles realizavam testes RT-PCR, considerados o padrão ouro para identificar a doença. Ao fim do período, um total de 1,5 milhão de horas em dados foram coletadas pelos dispositivos e, então, analisadas com base nos 66 diagnósticos da doença identificados no grupo.

Vacinas para Covid-19: Fiocruz e Sabin avaliam eficácia de fracionar as doses de reforço

A avaliação dos pesquisadores mostrou que as medidas como frequência cardíaca e respiratória tiveram mudanças significativas durante o período de incubação (tempo entre infecção do vírus e surgimento de sintomas); pré-sintomático; sintomático e de recuperação da doença.

Os participantes com Covid-19 na fase de sintomas tinham, por exemplo, uma respiração a mais por minuto durante a noite, em média, e a frequência cardíaca acelerada em um batimento por minuto. Mas, já durante o período de incubação e pré-sintomático, os cientistas perceberam um aceleramento do coração de 0.87 batidas por minuto, e que a temperatura do pulso aumentava em 0.18°C.

Varíola dos macacos: Reino Unido recomenda vacinação contra varíola dos macacos para pessoas consideradas ‘de risco’

Essas mudanças permitiram que o bracelete detectasse a Covid-19 ao menos dois dias antes das manifestações sintomáticas em 45 dos 66 casos - 68% do total confirmado.

“Nossa pesquisa mostra como esses dispositivos, em parceria com a inteligência artificial, podem ultrapassar os limites da medicina personalizada e detectar doenças antes dos sintomas, potencialmente reduzindo a transmissão do vírus nas comunidades”, escreveram os cientistas no estudo.

Eles destacam, no entanto, que mais pesquisas são necessárias, e em maior escala, para compreender a eficácia da estratégia como uma medida de saúde pública no combate à pandemia. No momento, a tecnologia está sendo testada em 20 mil pessoas na Holanda, com resultados esperados ainda neste ano.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos