Pumas rescinde contrato de Daniel Alves após prisão na Espanha por estupro

Clube de Daniel Alves, o Pumas, do México, anunciou nesta sexta-feira a rescisão do contrato do lateral-direito. A decisão foi comunicada em forma de pronunciamento (sem direito a perguntas) pelo presidente Leopoldo Silva e ocorre após o brasileiro ter tido prisão preventiva decretada na Espanha por agressão sexual.

- O clube Universidad Nacional tomou a decisão de rescindir por justa causa o contrato de trabalho com o jogador - disse Leopoldo Silva: - Com esta decisão, o clube reitera seu compromisso de não tolerar atos de nenhum integrante de nossa instituição, seja quem for, que atentem contra o espírito universitário e seus valores. O clube Universidad Nacional é uma instituição que promove o respeito, o comportamento íntegro, digno e profissional de seus jogadores e jogadoras dentro e fora do campo.

Em depoimento: Mulher que denuncia Daniel Alves diz que foi agredida e abusada em banheiro

Após pedido do Ministério Público espanhol: Juíza determina prisão preventiva e sem fiança para Daniel Alves

Mais cedo, a Liga BBVA MX, responsável pela primeira divisão do Campeonato Mexicano de Futebol, já havia se pronunciado sobre o caso. Em nota oficial, afirmara que definiria a situação do brasileiro juntamente com o Pumas assim que tomasse conhecimento da situação jurídica do lateral.

Daniel Alves era jogador do Pumas desde julho. Sua última partida foi no último dia 8, quando a Justiça Espanhola já havia aberto um procedimento para investigá-lo. Ele atuou por 45 minutos na vitória por 2 a 1 sobre o Juárez, pelo torneio Clausura.

Entenda o caso

A noite do suposto crime

De acordo com a vítima, que teve a identidade preservada, ela dançava na boate Sutton, em barcelona, com amigos no dia 30 de dezembro quando Daniel Alves a tocou por baixo de sua roupa íntima sem consentimento. O brasileiro ainda a levou ao banheiro e obrigou que ela fizesse sexo com ele.

A mulher disse que relatou aos amigos o que havia ocorrido e procurou a equipe de segurança do estabelecimento, que iniciou o protocolo para casos de agressão sexual.

A polícia foi chamada ao local, mas ao chegar lá o jogador já havia ido embora.

Após a denúncia

Dias mais tarde, em 2 de janeiro de 2023, a vítima foi até a polícia catalã para registrar queixa por assédio sexual. Desde então, ela está recebendo apoio por parte do departamento encarregado desse tipo de crime, e a denúncia está judicializada e em fase de investigação, conforme explica o Tribunal Superior de Justiça da Catalunha (TSJC).

O lateral retornou ao México, onde se reapresentou ao Pumas e já entrou em campo na temporada de 2023.

A defesa do jogador

Daniel Alves nega as acusações: "Gostaria de negar tudo. Sim, eu estava naquele lugar, com mais gente, curtindo. E quem me conhece sabe que eu amo dançar. Eu estava dançando e curtindo sem invadir o espaço dos outros. Eu não sei quem é essa senhora. Nunca invadi um espaço. Como vou fazer isso com uma mulher ou uma menina? Não, por Deus", disse à TV espanhola Antena 3.

Depoimento e detenção

O brasileiro, que estava no México, retornou nesta semana à capital da Catalunha para testemunhar espontaneamente nesta sexta-feira.

Segundo o El País, ele foi detido após prestar depoimento e saiu em uma viatura da polícia.

Em paralelo, o Ministério Publico fez um pedido de prisão preventiva sem direito à fiança, o que foi aceito pela Justiça.