Pumas rescinde contrato de Daniel Alves após prisão por agressão sexual

Clube mexicano anunciou decisão de quebrar acordo com lateral detido na Espanha durante investigação

Daniel Alves durante sua apresentação como jogador do Pumas em julho de 2022 (Foto: Ismael Rosas/ Eyepix Group/Future Publishing via Getty Images)
Daniel Alves durante sua apresentação como jogador do Pumas em julho de 2022 (Foto: Ismael Rosas/ Eyepix Group/Future Publishing via Getty Images)

O Pumas, do México, anunciou nesta sexta-feira (20) a rescisão do contrato de Daniel Alves. A decisão foi comunicada em forma de pronunciamento pelo presidente Leopoldo Silva após o brasileiro ter tido prisão preventiva decretada na Espanha por agressão sexual.

O clube Universidad Nacional tomou a decisão de rescindir por justa causa o contrato de trabalho com o jogador. Com esta decisão, o clube reitera seu compromisso de não tolerar atos de nenhum integrante de nossa instituição, seja quem for, que atentem contra o espírito universitário e seus valores. O clube Universidad Nacional é uma instituição que promove o respeito, o comportamento íntegro, digno e profissional de seus jogadores e jogadoras dentro e fora do campo.

Daniel Alves chegou ao Pumas em julho de 2022 após o fim do contrato com o Barcelona. Ele entrou em campo pela última vez com a equipe no dia 8 de janeiro, atuando 45 minutos na vitória por 2 a 1 sobre o Juárez, pelo torneio Clausura. Naquele momento, o Ministério Público espanhol já investigava a acusação de violência sexual.

Anteriormente, a Liga BBVA MX, responsável pela primeira divisão do Campeonato Mexicano de Futebol, anunciou que definiria a situação do atleta junto com o Pumas quando tomasse conhecimento da situação jurídica.

O jogador brasileiro foi preso preventivamente sem fiança nesta sexta após depoimento na investigação da acusação de violência sexual feita por uma mulher. O caso teria acontecido na madrugada de 30 para 31 dezembro de 2022, em uma boate em Barcelona.

Entenda o caso

Denúncia

De acordo com a Agência EFE, a denunciante afirmou que na noite de 30 para 31 de dezembro de 2022, o jogador do Pumas a tocou por baixo da roupa íntima sem seu consentimento. Ela prestou queixa em 2 de janeiro.

Jogador nega

No começo do mês, em entrevista ao programa espanhol Y ahora Sonsoles, da Antena 3, o jogador do Pumas disse que: "Gostaria de negar tudo. Sim, eu estava naquele lugar, com mais gente, curtindo. E quem me conhece sabe que eu amo dançar. Eu estava dançando e curtindo sem invadir o espaço dos outros. Eu não sei quem é essa senhora. Nunca invadi um espaço. Como vou fazer isso com uma mulher ou uma menina? Não, por Deus. Já chega (com o assunto), porque estão sofrendo, principalmente o meu povo".

Os depoimentos

A mulher teria sido convidada por Daniel e um amigo para um espaço VIP na boate em que estavam e, segundo o seu relato, o jogador teria pego a mão dela e colocado em seu pênis, algo contra a sua vontade. Também sem que quisesse, ela foi levada a um banheiro e, de acordo com o jornal, teria sido estuprada. O jogador teria sentado no vaso sanitário, levantado o seu vestido e a forçado a ter relações sexuais com ele. Tentando evitar, a mulher teria sido agredida e violentada logo em seguida. Depois do ato, Daniel Alves teria pedido que ela o esperasse sair primeiro do banheiro.

Exames de corpo de delito realizados no hospital em que ele fora encaminhada logo após ter relatado à polícia o que teria acontecido, ainda segundo o El Periódico de Catalunya, apontaram lesões características de estupro sofridas na mulher.

O que mostram as câmeras?

  • Conforme divulgado pelo jornal espanhol El Taquigrafo na última quinta-feira (19):

  • Daniel Alves chega à boate com um amigo por volta das 2h;

  • Às 4h22, a mulher vai ao banheiro e Alves a segue segundos depois. Não há câmeras lá;

  • Cerca de 47 segundos depois, ela sai do banheiro;

  • Alves continua seguindo a mulher;

  • O jogador e o amigo deixam o local 10 minutos depois;

  • Nesse momento, a mulher é vista chorando descontroladamente e amigas a consolam;

  • Funcionários do local são alertados.

A Boate Sutton teria acionado o "protocolo de proteção a vítimas de assédio" e tentou encontrar Daniel Alves, mas sem sucesso. O jogador, assim como sua esposa, nega as acusações.