Punição do PSL a Eduardo Bolsonaro já está nas mãos de Maia

Naira Trindade

BRASÍLIA — A Secretaria Geral da Mesa da Câmara recebeu nesta quarta-feira as notificações de suspensões aos deputados do PSL. Agora, o presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) vai analisar os processos de punições que podem acarretar na destituição do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) da liderança do PSL na Câmara.

A bancada do PSL deu início ao processo de coleta de assinaturas para instituir um novo líder na Câmara. A deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), ex-líder de governo na Casa, encabeça a lista de favoritos. Também estão no páreo os colegas Felício Laterça (PSL-RJ) e Felipe Francischini (PSL-PR).

Na última quarta-feira, o Diretório Nacional do PSL confirmou as punições a 18 deputados do partido, entre advertências e suspensões das atividades partidárias. Eduardo Bolsonaro foi um dos que teve a maior punição, com um ano de suspensão.

Além de Eduardo, Bibo Nunes (RS), Alê Silva (MG) e Daniel Silveira (RJ) também foram suspensos por um ano. A suspensão impede que os deputados participem de comissões, assinem listas e falem em nome da sigla no Congresso. Outros 14 deputados tiveram suspensões definidas entre 3 e 10 meses. Quatro foram advertidos e dois arquivados.

A cúpula do PSL trabalha com a expectativa de que os deputados bolsonaristas acionem o Supremo Tribunal Federal para tentar demover a legenda da decisão que pune Eduardo Bolsonaro e outros 17 deputados.