Putin acusa Ocidente de ignorar 'linha vermelha' e escalar crise na Ucrânia

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·4 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 14.11.2019: O presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante reunião no Palácio do Itamaraty, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 14.11.2019: O presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante reunião no Palácio do Itamaraty, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente da Rússia, Vladimir Putin, acusou nesta quinta (18) o Ocidente de "tratar superficialmente todos nossos alertas sobre linhas vermelhas" ao escalar a atividade militar na vizinha Ucrânia.

O discurso, feito no Ministério das Relações Exteriores, é uma resposta direta à acusação americana de que os russos estão concentrando cerca de 100 mil homens em áreas próximas das fronteiras ucranianas.

"Nossos parceiros ocidentais estão escalando a situação ao suprir Kiev com armas letais modernas e ao conduzir manobras provocativas no mar Negro", disse Putin, que acusou bombardeiros da Otan (aliança militar ocidental) de voar "a 20 km de nossas fronteiras".

O presidente reclamou que tem "constantemente levantado preocupações sobre isso", sem sucesso.

As declarações ocorrem num momento de crise multifacetada ente os interesses russos e ocidentais na longa faixa de atrito que vai do mar Negro ao Báltico, de norte a sul do Leste Europeu.

Imagens de satélite mostram que, desde o começo de novembro, forças russas se concentraram em pontos relativamente próximos da Ucrânia e dos territórios dominados por rebeldes pró-Kremlin desde 2014 no país vizinho.

A guerra civil na região já matou 13 mil pessoas e veio na esteira da anexação da Crimeia por Putin, uma resposta ao golpe que derrubou o governo simpático a Moscou em Kiev no começo daquele ano. Diferentemente do que ocorreu na península, até pela homogeneidade russa étnica menor no leste ucraniano e a reação militar de Kiev, o conflito por lá acabou congelado.

Neste ano, Putin fez concentrações e exercícios militares semelhantes, assustando o Ocidente, para dissuadir o governo ucraniano de uma ação de retomada das áreas rebeldes. Do seu ponto de vista geopolítico, a Ucrânia tem de permanecer no mínimo neutra, o que a divisão interna permite, separando a Rússia das forças da Otan.

Destas vez, contudo, os soldados e blindados russos estão bem mais distantes, cerca de 300 km, o que levou a própria Guarda de Fronteira da Ucrânia a negar o risco iminente de invasão trombeteado na semana passada pelos americanos.

De seu lado, Putin já havia se queixado na segunda-feira (15) com o presidente francês, Emmanuel Macron, acerca das manobras no mar Negro --que sedia uma frota russa na Crimeia e é a saída do país para o Mediterrâneo.

Em junho, a Rússia deu tiros de advertência contra um navio de guerra britânico perto das águas que considera suas no mar. As relações diplomáticas com a Otan estão cortadas. Nesta semana, a Ucrânia conduz manobras militares perto da Crimeia.

Ao falar do fornecimento de armas, Putin falava tanto de um pacote vendido pelos EUA à Ucrânia, mas principalmente da chegada dos mortíferos drones Bayraktar TB2 fornecidos pelo membro da Otan Turquia a Kiev.

Essas armas fizeram a diferença em favor dos azeris contra os armênios, aliados de Putin, na guerra do Cáucaso no ano passado. O Kremlin teme uma mudança de equilíbrio no jogo do Donbass, como o leste ucraniano é chamado.

Os turcos são parceiros e rivais da Rússia, com interesses de controle do mar Negro.

"Bruxelas [sede da União Europeia e da Otan] precisa entender que reduzir a tensão político-militar não é apenas do interesse russo mas de todos na Europa, até no mundo", afirmou Putin.

O discurso é retórico, mas 2014 está aí para provar que o risco de embates diretos é real, algo potencializado pela crise em curso.

A Rússia é aliada da Belarus, cuja ditadura está em confronto direto com a Polônia e outros membros da Otan devido à crise dos refugiados. Ambos os lados sinalizaram ter apoio militar no embate.

Além dessa questão, que deu sinais de algum refluxo nesta quinta, houve a surpreendente decisão alemã de suspender a certificação do gasoduto Nord Stream 2 --segundo ramal da conexão entre Rússia a Alemanha, finalizado em setembro.

Berlim aponta questões burocráticas a serem vencidas pelo consórcio, e o Kremlin tentou normalizar o assunto, dizendo que tudo seria resolvido.

Mas o fato é que Putin é crescentemente visto como um ator que usa a arma energética contra os europeus, e o gasoduto ampliará seus poderes num mercado 40% seu --além de prejudicar a Ucrânia, já que o produto será desviado de seu caminho pelo país, um trânsito que gera US$ 2 bilhões em receitas anuais.

O Kremlin nega tal leitura, mas a alarmista imprensa britânica já fala em um inverno europeu com apagões por eventual retaliação de Putin.

A situação toda enerva principalmente os europeus, em especial os do leste, cientes de que os EUA estão focados na sua Guerra Fria 2.0 com a China, além dos problemas domésticos do governo de Joe Biden.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos