Putin completa 70 anos com oração por sua saúde em meio à crise da guerra

Presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante reunião por videoconferência na residência oficial de Novo-Ogaryovo, nos arredores de Moscou

Por Guy Faulconbridge e Mark Trevelyan

LONDRES (Reuters) - O presidente russo, Vladimir Putin, completou 70 anos nesta sexta-feira em meio a cumprimentos bajuladores de subordinados e um apelo do patriarca ortodoxo Kirill para que todos rezem pela saúde do líder da Rússia mais longevo desde Josef Stalin.

Putin está enfrentando o maior desafio de seu governo depois que a invasão da Ucrânia desencadeou o mais grave confronto com o Ocidente desde a crise dos mísseis cubanos de 1962. Seu Exército segue se recuperando de uma série de derrotas no mês passado.

As autoridades saudaram Putin como o salvador da Rússia moderna, enquanto o patriarca de Moscou e de todo o país implorou por dois dias de orações especiais para que Deus conceda a Putin "saúde e longevidade".

"Nós oramos a você, nosso Senhor Deus, pelo chefe do Estado russo, Vladimir Vladimirovich, e pedimos que você dê a ele sua rica misericórdia e generosidade, conceda-lhe saúde e longevidade, e liberte-o de todas as resistências dos inimigos visíveis e invisíveis, confirme-o em sabedoria e força espiritual, para todos, Senhor, ouça e tenha misericórdia", disse Kirill.

Putin, que prometeu acabar com o caos que tomou conta da Rússia após a queda da União Soviética em 1991, está enfrentando a mais séria crise militar que qualquer chefe do Kremlin enfrentou por pelo menos uma geração desde a guerra soviético-afegã de entre 1979 e 1989.

Opositores como o líder da oposição preso Alexei Navalny dizem que Putin levou a Rússia a um beco sem saída em direção à ruína, construindo um sistema frágil de bajuladores incompetentes que acabará por entrar em colapso e legar o caos.

Apoiadores dizem que Putin salvou a Rússia da destruição por um Ocidente arrogante e agressivo.

Mas a guerra na Ucrânia forçou Putin a queimar grandes quantidades de capital político, diplomático e militar.

Mais de sete meses após a invasão, a Rússia sofreu enormes perdas em tropas e equipamentos e foi derrotada em várias frentes no mês passado, enquanto o Exército de Putin pulava de uma humilhação para outra.

Putin recorreu a proclamar a anexação de territórios apenas parcialmente sob controle russo, e cujas fronteiras o Kremlin disse que ainda não foram definidas, e ameaçou defendê-los com armas nucleares.

Uma mobilização parcial declarada pelo presidente em 21 de setembro se desenrolou de forma tão caótica que até Putin foi forçado a admitir erros e ordenar mudanças. Centenas de milhares de homens fugiram para o exterior para evitar serem convocados.

Refletindo sobre o aniversário de Putin, o ex-redator de discursos do Kremlin, Abbas Gallyamov, disse: "Em um aniversário, é costume resumir os resultados, mas os resultados são tão deploráveis que seria melhor não chamar muita atenção para o aniversário".