Putin deve proclamar anexação de território da Ucrânia em dias

Presidente russo, Vladimir Putin

Por Jonathan Landay

ZAPORIZHZHIA, Ucrânia (Reuters) - Moscou se aproximou nesta quarta-feira de anexar uma faixa da Ucrânia, ao divulgar o que chamou de registros de votos mostrando apoio para que quatro províncias parcialmente ocupadas se juntem à Rússia, após o que Kiev e o Ocidente denunciaram como referendos fraudulentos ilegais realizados sob a mira de armas.

As administrações instaladas pela Rússia de ao menos duas das quatro províncias, Luhansk e Kherson, pediram formalmente ao presidente Vladimir Putin que as incorporasse à Rússia.

Espera-se que o líder do Kremlin proclame a anexação em um discurso na sexta-feira, pouco mais de uma semana desde que endossou os referendos, ordenou uma mobilização militar dentro do país e ameaçou defender as reivindicações da Rússia com armas nucleares.

"Os resultados são claros. Bem-vindo ao lar, à Rússia!", disse Dmitry Medvedev, ex-presidente que atua como vice-presidente do Conselho de Segurança da Rússia, no Telegram, após a divulgação dos resultados.

Autoridades apoiadas pela Rússia afirmam ter realizado os referendos em quatro províncias - Donetsk e Zaporizhzhia, além de Kherson e Luhansk - durante cinco dias.

Moradores que escaparam para território controlado pelos ucranianos nos últimos dias contaram que pessoas foram forçadas a marcar cédulas na rua por oficiais itinerantes sob a mira de armas. Imagens filmadas durante o processo mostraram autoridades instaladas pela Rússia levando urnas de casa em casa com homens armados a reboque.

A Rússia diz que a votação foi voluntária e a participação foi alta.

"Esta farsa nos territórios ocupados não pode nem ser chamada de imitação de um referendo", disse o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, em vídeo durante a noite.

Mykhailo Podolyak, conselheiro de Zelenskiy, disse à Reuters que os ucranianos que ajudaram a organizar o processo enfrentariam acusações de traição e pelo menos cinco anos de prisão. Os ucranianos que foram forçados a votar não serão punidos.

Os Estados Unidos estão preparando uma nova rodada de sanções para punir a Rússia pela anexação e um pacote de armas de 1,1 bilhão de dólares para a Ucrânia que será anunciado em breve, disseram autoridades norte-americanas.

O chefe da câmara alta do Parlamento russo afirmou que a câmara pode aprovar a adesão das regiões a partir de 4 de outubro.

A anexação faz parte de uma enorme estratégia de escalada anunciada por Putin na semana passada, juntamente com a rápida convocação de centenas de milhares de homens russos para lutar e uma nova ameaça de uso de armas nucleares, que ele disse "não ser um blefe".

Os movimentos ocorrem após um revés impressionante no campo de batalha, em que as forças russas abandonaram às pressas um território do tamanho de Chipre em questão de dias.

Autoridades russas disseram que qualquer ataque ao território anexado seria um ataque à própria Rússia.