Putin diz a Erdogan que retomada do acordo de grãos pode ser considerada após investigação de ataque a Sebastopol

Putin e Erdogan em Astana

LONDRES (Reuters) - O presidente russo, Vladimir Putin, disse a seu colega turco, Tayyip Erdogan, em um telefonema nesta terça-feira que a Rússia poderia considerar retomar um acordo que permite a exportação de grãos a partir dos portos marítimos ucranianos somente após a conclusão de uma investigação sobre ataques de drones no porto da Crimeia de Sebastopol.

O acordo de exportação foi fechado por Rússia e Ucrânia e intermediado pela Turquia e pelas Nações Unidas em julho para aliviar uma crise de fome mundial causada em parte pela invasão da Ucrânia por Moscou. Está previsto para expirar em 19 de novembro.

A Rússia suspendeu sua participação no acordo no sábado, dizendo que estava respondendo a um ataque de drones à frota de Moscou na Crimeia que atribuiu à Ucrânia. Kiev não assumiu a responsabilidade e nega usar o corredor de segurança do programa de grãos para fins militares.

Em um comunicado, o Kremlin informou que uma retomada só pode ser considerada após "uma investigação detalhada sobre as circunstâncias deste incidente, e também após o recebimento de garantias reais de Kiev de estrita observância dos acordos de Istambul, em particular sobre o não uso do corredor humanitário para fins militares".

Também disse que Putin lembrou Erdogan do "não cumprimento da segunda parte dos acordos do pacote - desbloquear a exportação de produtos agrícolas e fertilizantes russos para os mercados mundiais".

Embora essas mercadorias não estejam sujeitas às sanções ocidentais impostas em resposta à invasão da Ucrânia pela Rússia, os produtores russos perderam o acesso aos portos do Mar Báltico que usavam para exportações.

Em seu registro da ligação de terça-feira, a presidência turca informou que Erdogan disse a Putin que estava "certo de que uma cooperação orientada para a solução será estabelecida nesta questão".

(Por Kevin Liffey)